segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Hora de despertar!

Salmo 122; Isaías 2.1-5; Romanos 13.11-14; Mateus 21.1-11
Texto: Romanos 13.11-14
Tema: Hora de despertar!

Qual é a sua programação para o natal? Para a virada de ano? Para amanhã? Para o próximo ano?
Até parece que controlamos o tempo. Tal hora, isso. Tal momento, aquilo. Vivemos na ilusão de controlá-lo e dominá-lo. Mas, a vida diária mostra que não é assim. O apostolo Tiago escreveu: “Agora escutem, vocês que dizem: “Hoje ou amanhã iremos a tal cidade e ali ficaremos um ano fazendo negócios e ganhando muito dinheiro!” Vocês não sabem como será a sua vida amanhã, pois vocês são como uma neblina passageira, que aparece por algum tempo e logo depois desaparece. O que vocês deveriam dizer é isto: “Se Deus quiser, estaremos vivos e faremos isto ou aquilo (Tg 4.13-15).
Qual é a sua programação? Essa programação será concretizada?
O apostolo Paulo chama a atenção para o tempo de Deus. Fazemos e refazemos planos. Dependendo do ocorrido podemos alterar o horário de saída e até mesmo de chegada. Contudo, o apostolo Paulo escreveu que uma coisa não será deixada para depois, não vai ser antecipada nem atrasada: o retorno de Cristo.
Quando será esse momento? Muito já se especulou sobre, entretanto, o retorno de Cristo será quando Deus assim já estipulou e está reservado a sua vontade.
Talvez alguém exclame: assim fica difícil! Ouça a advertência: Já é hora de despertar.
Quando se dorme, não se consegue saber o que está acontecendo fora da casa. Não percebemos quanto tempo dormimos. Só nos damos conta que o tempo passou quando toca o despertador.
Tempos atrás assisti uma reportagem de um homem que afirmou que não dormia a muitos anos. Explicou que o motivo de não dormir se devia ao fato de que anos antes, sua casa havia sido atingida por um raio. Desde àquele dia não dormira mais. A reportagem pediu que desejavam levá-lo até uma faculdade em São Paulo onde estavam realizando estudos sobre o sono. Feito os testes descobriu-se que o homem dormia entre 3 e 4 horas por noite. Segundo o homem, ele não percebia que dormia tudo isso, pra ele é como se não dormisse nada. O médico explicou que o homem não é capaz de perceber o quanto dorme. Se não conseguimos perceber o quanto dormimos: já é hora de despertar.
Paulo, ao escrever essa pericope (Rm13.11-13), enfatiza que é hora de vigiar, cuidar. Ninguém sabe a hora e o dia em que Cristo virá. Jesus disse ao apóstolo João (Ap 22.7) “...Eu venho logo! Felizes os que obedecem às palavras proféticas deste livro!
Talvez incorremos no perigo de achar que estamos acordados, mas, não nos arrependemos, não oramos, não participamos dos cultos ... O apostolo Paulo convida: já é hora de despertar.
Como posso ser despertado? A lei de Deus é o seu despertador. Sua lei acusa nossos pecados. Nos desperta do sono profundo. Nos desperta de um sono que talvez nem saibamos que estamos dormindo.
Os profetas de Deus, foram e são homens que carregam o despertador e colocam nos ouvidos das pessoas com a intenção de despertá-las.
Ao nos despertar com sua lei, Deus visa nos colocar novas roupas por seu Filho Jesus Cristo. Quantas pessoas ainda não se despertaram para a necessidade do batismo e estão esperando seus filhos crescerem? Quantos ainda não se despertaram para a real importância e necessidade do culto? Quantas pessoas estão vivendo suas vidas e contando com a mesma oportunidade que teve o ladrão na cruz? Ao recebermos o convite para despertar, é como se Paulo estivesse dizendo: é agora, e daí?
A lei de Deus me desperta e meus olhos são abertos para a necessidade de Cristo. Em Jesus Cristo sou perdoado, mas, enquanto nesse mundo, devido aminha natureza pecaminosa, continuo pecador. Por isso, o despertador de Deus precisa continuar apitando.
Queridos. É hora de despertar! Não sei o tempo de Deus. Nem o meu tempo eu consigo controlar. Cristo voltará e por não saber o dia e a hora, vivamos na luz do evangelho que é Cristo Jesus.
Deus é dono do tempo. Tanto do nosso tempo, como do seu tempo. Seu relógio está na parede da sua sala e ao dar a hora exata, chamará seu filho e dirá: vá buscar a minha igreja, meus filhos e filhas que viveram suas vidas na tua luz. Amém.

Edson Ronaldo Tressmann

segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Quem é Jesus?


24 de novembro de 2019
Ultimo Domingo do Ano da Igreja.
Salmo 46; Malaquias 3.13-18; Colossenses 1.13-20; Lucas 23.27-43
Texto para prédica: Cl 1.13-20
Tema: Quem é Jesus?

Quem mora em cidade pequena, diante de uma pessoa estranha, não conhecida na cidade, pergunta: quem é fulano de tal? E a resposta sempre é: fulano de tal é da família tal. E assim, o desconhecido torna-se conhecido e familiar para outras pessoas.
Você sabe quem é Jesus? Não estou falando do técnico do Flamengo. Eu quero saber quem é Jesus Cristo?
O que as muitas páginas do Novo Testamento descreve, Paulo responde num só parágrafo (Cl 1.13-20). É incrível como Paulo conseguiu resumir tão bem a doutrina a respeito de Cristo nessas poucas palavras. Só é possível porque a Bíblia é de autoria do Espírito Santo. É tão magnifica a resposta do apostolo, que eu preciso de algumas páginas para tentar desenvolver o que está resumido nessa alínea.
Antes da resposta sobre quem é Jesus, lembro-lhes que na época havia uma seita conhecida como gnosticismo, que por sua vez, não era nova, mas, uma concepção religiosa provinda do Oriente, Pérsia.
Para os gnósticos há dois deuses. Um deus bom e outro mau. O mundo foi criado por esse deus mau, por isso, as inúmeras tragédias. Todo mal se deve a matéria, corpo. A salvação é libertar-se dessa cadeia má que é o corpo. E para que haja essa libertação é preciso adquirir conhecimento genuíno. E esse conhecimento genuíno se dá na conscientização de que o homem é um deus.
Os gnósticos negam a salvação por meio da morte e ressurreição de Cristo, não acreditam no pecado, nos anjos, na existência do diabo, e nem no pecado original.
Não pense que o gnosticismo é coisa ultrapassada, pois não é. Está presente e reapareceu com muita força devido ao livro Código da Vinci, de Dawn Brown (Editoa Sextante, 2004). O gnosticismo é a base filosófica de muitos movimentos e seitas: Nova Era, Espiritismo, Hinduísmo, Maçonaria, etc.
A pergunta é simples: Quem é Jesus? Mas, a resposta depende de como eu ouvi e aprendi sobre. Depende de onde estou, o que ouço, o local que estou frequentando para obter esse feedback.
O apostolo Paulo está combatendo ideias distorcidas pelo gnosticismo a respeito de Cristo. E num pequeno inciso (Cl 1.13-20), fala sobre Jesus de maneira magnifica.
Não sei você, mas, quando o apostolo Paulo respondeu sobre quem é Jesus? disse que Jesus Cristo...
...é o Salvador (vv.13-14);
...é o Criador (vv.15-17);
...é o cabeça da igreja (v.18);
...é o amado do Pai (vv.19-20);
O evangelista Lucas ao pesquisar a respeito de Jesus, o fez para querer entender a respeito da ressurreição. Como médico, cientificamente, não dava para compreender a ressurreição, apenas crer.
Para muitos, tudo termina no cemitério. A morte põe um fim em tudo. Mas, não é assim! Deus criou o mundo e tudo o que nele há para existir eternamente. O problema foi a queda em pecado. E essa queda em pecado, atrapalha nossa relação com Deus e com as pessoas. A própria natureza tornou-se refém da queda em pecado (Rm 8.22-24).
Para restaurar todas as coisas após a queda em pecado e colocá-las de acordo com a intenção de Deus, viver eternamente, Deus nos enviou seu Filho Jesus.
Quem é Jesus?
...é o Salvador (vv.13-14);
...é o Criador (vv.15-17);
...é o cabeça da igreja (v.18);
...é o amado do Pai (vv.19-20);
Jesus Cristo é o Salvador (vv.13-14).
Ele nos libertou (v.13);
Quando se nega a existência do pecado, assim como o gnósticos, rejeita-se o salvador. Sem a realidade do pecado - Cristo pode ser qualquer coisa.
O apostolo Paulo escreveu que Cristo nos libertou (v.13) - livrou do perigo.
O grande perigo é a morte eterna, e não poderíamos e nem podemos nos livrar por conta própria. Foi isso que Cristo fez. Não corremos mais o perigo de passar uma eternidade separados de Deus.
Os gnósticos acreditavam que uma organização de espíritos perversos controlavam o mundo (Cl 1.16; 2.10,15) e assim, ao dizer que Cristo nos libertou ou nos livrou do perigo, Paulo destaca que estamos sob o domínio de Jesus.
Jesus Cristo é o Salvador (vv.13-14).
Ele nos transportou (v.13);
O verbo transportar era usado para descrever a deportação da população de um país para outro. Termo conhecido em Colossos, afinal, a história registra que Antíoco, o Grande, transportou cerca de dois mil judeus da Babilônia para Colossos.
Se o apostolo Paulo havia escrito que Jesus nos livrou do perigo (v.13), agora, destaca que o fez para nos dar um novo rumo. Ele nos colocou no reino. Não é qualquer reino, pois: “nos transportou para o reino do seu amor...” (v.13).
Jesus Cristo é o Salvador (vv.13-14).
Ele nos redimiu (v.14)
Redimir significa que foi pago um preço de resgate. O preço pago era estipulado pela própria lei de Deus. E como o diabo nos acusa de sermos transgressores da lei de Deus, Deus nos enviou Jesus para pagar o preço do nosso resgate. Agora, temos Jesus para justificar-nos. Somos salvos pela fé, os braços que nos agarram em Cristo.
Jesus Cristo é o Salvador (vv.13-14).
Ele nos perdoou (v.14)
Perdão tem o sentido de mandar embora, cancelar uma dívida. Deus em seu Filho Jesus não só nos libertou do perigo, e nos transportou para uma nova realidade. Ele também cancelou as nossas dívidas e assim, o diabo não tem mais como nos acusar.
O perdão é um ato de sua graça. Não merecemos o perdão. Não conquistamos o perdão. Deus perdoa, porque nos ama e nos criou para vivermos juntos dele. O preço pago para que isso fosse possível foi o seu único filho.
Deus em Jesus nos perdoa porque sabe o quão amargo é uma vida sem perdão. Pessoas que não perdoam, sofrem amarguradas. Pessoas que não sabem que são perdoadas em Cristo, sofrem amarguradas (1Co 6.9-11).
O perdão teve um preço e esse foi pago no alto da cruz. O perdão que nos é pedido por outro e por nós oferecido também é gratuito (Cl 3.13).
Quem é Jesus?
Uma pergunta simples, mas, dependendo de onde e como estou, não sei responder.
A palavra de Deus responde dizendo que Jesus Cristo é
...é o Salvador (vv.13-14);
...é o Criador (vv.15-17);
...é o cabeça da igreja (v.18);
...é o amado do Pai (vv.19-20);
Jesus Cristo é aquele que nos libertou, transportou, redimiu e perdoou. Assim, por mais que passemos por sofrimentos e tribulações no presente momento, a criação não está destinada ao fracasso, a igreja será vitoriosa e, assim como Cristo, somos amados pelo nosso Pai.
Esses olhos verão a Cristo. Esse corpo foi redimido pelo Senhor. Esse corpo peca por ser pecador. Não se desvie dessa verdade. E saiba que, Cristo veio nos libertar, transportar, redimir e perdoar, para que eu assim como Adão e Eva possa ver Deus face a face. Amém!
Edson Ronaldo Tressmann

Bibliografia
WIERSBE. Warren W. Comentário Bíblico expositivo. Novo testamento 2. Santo André, SP. Editora Geográfica, 2017.

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Em absoluta segurança!


17/11/19
Sl 98; Ml 4. 1 - 6; 2Ts 3. 6 - 13; Lc 21. 5 - 28
Texto para prédica: Lc 21.5-28
Tema: Em absoluta segurança!

Se você tivesse a chance de fazer uma pergunta à Jesus: qual pergunta você faria? Qual o motivo em fazer essa pergunta? Qual resposta você queria ouvir a respeito dessa sua pergunta?
No capítulo 20, o capítulo da pergunta, ouvimos a pergunta dos principais sacerdotes e escribas e anciãos sobre a autoridade de Jesus (Lc 20.1), espiões pagos que fingiram ser justos e perguntaram a Jesus sobre impostos (Lc 20.20-22). Também os saduceus que questionaram sobre a ressurreição (Lc 20.27). E agora, temos três perguntas dos discípulos Pedro, Tiago e João (Lc 21.7).
Eles perguntaram 1) – quando o templo seria destruído; 2) – quais seriam os sinais de sua vinda; 3) – quais seriam os sinais do fim dos tempos? (Mc 13.3-4; Mt 24.3).
O templo era uma construção ornada com decorações caras e os discípulos questionam sobre toda essa riqueza.
Jesus está no monte das Oliveiras e ao olharem para o Templo, contemplando sua suntuosidade, questionam Jesus sobre o futuro.
E aqui temos o registro do “discurso do monte das Oliveiras”, que é o maior sermão profético pregado por Jesus. Está detalhado em Mateus 24 e 25 e Marcos 13. Lucas retirou alguns detalhes de Mateus e Marcos por estar preocupado com seu público alvo, os gentios. Por isso, omitiu elementos judaicos.
Mesmo que a ênfase seja sobre Jerusalém, povo de Israel e o Templo, não tem como não aplicar para nós essas palavras de Jesus.
Os discípulos estavam impressionados com a beleza e com o maior orgulhos dos israelitas: o Templo. E Jesus diz que toda essa beleza e orgulho será destruído.
Jesus não é um estraga prazer. Mas, suas palavras tem por intenção fazer os discípulos olharem para outra direção. Nossos olhos precisam ser desviados do supérfluo e direcionados para o essencial.
A pergunta dos discípulos (Lc 21.7): 1) – quando o templo seria destruído; 2) – quais seriam os sinais de sua vinda; 3) – quais seriam os sinais do fim dos tempos? (Mc 13.3-4; Mt 24.3), não tem a resposta desejada. Os discípulos gostariam de obter informações privilegiadas por serem discípulos de Jesus. Essas informações os ajudariam a se preparar, montar estratégias e saírem ilesos diante da destruição do templo.
Quem de nós não gostaria de saber algo sobreo futuro para se precaver?
A resposta de Jesus: “Tomem cuidado para que ninguém engane vocês. Porque muitos vão aparecer fingindo ser eu, dizendo: “Eu sou o Messias” ou “Já chegou o tempo”. Porém não sigam essa gente. Não tenham medo quando ouvirem falar de guerras e de revoluções. Pois é preciso que essas coisas aconteçam primeiro. Mas isso não quer dizer que o fim esteja perto. E continuou: Uma nação vai guerrear contra outra, e um país atacará outro. Em vários lugares haverá grandes tremores de terra, falta de alimentos e epidemias. Acontecerão coisas terríveis, e grandes sinais serão vistos no céu. Mas, antes de acontecer tudo isso, vocês serão presos e perseguidos. Vocês serão entregues para serem julgados nas sinagogas e depois serão jogados na cadeia. Por serem meus seguidores, vocês serão levados aos reis e aos governadores para serem julgados. E isso dará oportunidade a vocês para anunciarem o evangelho. Resolvam desde já que não vão ficar preocupados, antes da hora, com o que dirão para se defender. Porque eu lhes darei palavras e sabedoria que os seus inimigos não poderão resistir, nem negar. Vocês serão entregues às autoridades pelos seus próprios pais, irmãos, parentes e amigos, e alguns de vocês serão mortos. Todos odiarão vocês por serem meus seguidores. Mas nem um fio de cabelo de vocês será perdido. Fiquem firmes, pois assim vocês serão salvos” (Lc 21. 8-19).
O objetivo de Jesus não é assustar. Os episódios do fim: guerras, revoluções, uma nação guerreando contra outra, um país atacando outro, tremores de terra em várias partes do mundo, falta de alimentos, epidemias, sinais vistos no céu, cristãos sendo presos e perseguidos, crentes sendo entregues para serem julgados por juízes, governadores e nas igrejas e, sendo jogados na cadeia, Jesus quer nos alertar. E o alerta é, não queiram ser privilegiados com essas informações, mas, que esses sinais mostrem a urgência em ser testemunha de Jesus Cristo. Não se preocupe com o que irá testemunhar, Jesus dará o testemunho certo, na hora certa.
Por mais que haja temor, a sensação de medo não irá paralisar, ao contrário, será motivação para o testemunho. O objetivo do testemunho é consolar as pessoas que estiverem sofrendo e até desanimando.
Muitas vezes não sabemos o que dizer, ou responder, no entanto, a promessa de Jesus é clara. Ele nos dará boca e sabedoria a qual as pessoas não irão resistir e nem contradizer (Lc 21.14-15).
Quando os cristãos serem perseguidos, presos, levados ao tribunal, Jesus será o orador por nós. Não haverá necessidade de preparar um discurso. Ele nos dará o poder para falar, assim como fez com Moisés ao ser enviado para falar com o Faraó (Ex 4.11-12).
Lucas, no livro de Atos mostra que os libertos, os cireneus, os alexandrinos, os da Cilicia e os da Ásia, enquanto discutiam com Estevão, não podiam resistir à sabedoria e ao Espirito pelo qual lhes falava (At 6.10).
Enquanto famílias estiverem vivendo em meio a muitas discórdias e sendo separadas por causa de Cristo. Enquanto cristãos estiverem sendo odiados, entregue as autoridades e até mortos por parentes, Jesus usará os seus para que esses testemunhem a respeito de Jesus Cristo para que esses sejam salvos.
Se para você isso não é justo, lembre-se das palavras do apostolo Pedro (1Pe 4.16), agradeça a Deus por ser cristão e ser a boca de Cristo para pessoas que precisam ter seus olhos direcionados para a majestosa vida futura. A qual os cristãos já estão seguros, afinal, a morte física pode ocorrer a uma pessoa cristã, mas isso não mata, pois a morte não mata uma pessoa cristã. Lembre-se que Jesus disse: “...Deus é Deus dos vivos e não dos mortos” (Lc 20.38).
Diante do fim, quando as pessoas virem famílias sendo desfeitas, prédios ruindo por terremotos e guerras, esfriamento do amor, muitos, com medo, apavorados, esquecer-se-ão da vida eterna em Cristo Jesus.
O mundo atual, vivenciando a pós-modernidade, está mergulhada no ceticismo. Os céticos são aqueles que não mais acreditam e passam a duvidar de tudo o que se refere as coisas de Deus.
Os ateus, agnósticos e os sem religião já somam 15 milhões no Brasil. A fé está esfriando no país onde a fé católica é maior em todo o mundo e onde a igreja mais cresce ultimamente. Como é possível esfriar a fé onde ela está presente? Um dos fatores é a situação econômica. Quanto mais rica é uma sociedade, mais secular ela se torna.
Na Suécia e na Dinamarca, 64% e 48% de suas populações são declaradamente ateia. Se nada interromper o esfriamento da fé, países como Canadá, Austrália, Áustria, Finlândia, Irlanda, Holanda, Nova Zelândia, Suiça e RepúblicaTcheca terão da maioria da sua população longe de Deus.
Jesus faz promessas maravilhosas, tais como: seremos suas testemunhas em meio à confusão (v.13); não se perderá nenhum fio de cabelo, suas almas serão preservadas (v.18); mantenham-se perseverantes, pois, vocês recebem o cuidado de Deus (v.19). Amém!

Pr Edson Ronaldo Tressmann
Bibliografia: Dogmática cristã. Volume II. John Theodore Mueller. Tradução Martinho L. Hasse. Ed. Concórdia, Porto Alegre, RS, 1960. Pp. 48 – 50

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Em Cristo, diante do Fim!

Salmo 148; Êxodo 3.1-15; 2Tessalonicenses 2.1-8,13-17; Lucas20.27-40
Texto para prédica: 2Tessalonicenses 2.1-8, 13-17
Tema: Em Cristo, diante do Fim!
Edson Ronaldo TREssmann
Quantas vezes eu terei que repetir.
Essa frase é muito citada pelos pais aos seus filhos. Ou, por algum profissional a outro.
Parece que é justamente isso que Paulo está escrevendo as Tessalonicenses (2Ts 2.1).
Na primeira carta, Paulo e seus colaboradores buscaram corrigir ideias errôneas, principalmente sobre a volta de Cristo (1Ts 5.1-2). No entanto, essas ideias errôneas persistiam. E para aclarar certos pontos expressos na primeira carta. E para que o tema ficasse ainda mais claro, Paulo acrescentou o tema sobre o anticristo.
Os sinais, de maneira especial a respeito do anticristo é descrito por muitos comentaristas como sendo “pequeno apocalipse” (2Ts 2.1-12).
E é como se Paulo estivesse dizendo: Quantas vezes eu terei que repetir.
2Ts 2.1: “Agora, irmãos, a respeito da vinda de Jesus Cristo, o nosso Senhor, e do nosso encontro com ele, pedimos a vocês o seguinte
Observe que Paulo está repetindo (1Ts 4.15) a respeito da segunda vinda de Cristo e do nosso encontro com Jesus. E sobre esse assunto, Paulo está pedindo, requerendo, exortando, rogando. Ou seja, o apostolo já tendo escrito sobre o assunto (1Ts 4.1 e 5.2), exorta-os a estabilidade mental em relação a segunda vinda de Cristo e do nosso encontro com Jesus.
Quantas vezes eu terei que repetir.
Afinal, Paulo já havia escrito sobre o tema, mas, infelizmente, pregadores apocalípticos haviam distorcido o que Paulo escreveu e isso gerou uma enorme confusão.
2Ts 2.2:Não se perturbem facilmente, nem fiquem assustados se alguém afirmar que o Dia do Senhor já chegou. Talvez alguém diga que nós tenhamos afirmado isso enquanto profetizávamos ou anunciávamos o evangelho ou que escrevemos isso em alguma carta”.
O mistério a respeito da morte, ou até mesmo da segunda vinda de Cristo, tem conduzido muitas pessoas a interpretações mirabolantes. E isso tem assustado muitos. Muitas seitas tem se desenvolvido a partir desses assuntos, que para milhares é assustador e incomodo.
O apostolo, já tendo escrito sobre o tema, recebeu notícias de que falsos pregadores haviam se aproveitado da perseguição dos cristãos para ensinar o que lhes convinha a respeito da volta de Cristo, que para muitos já havia acontecido. Essa falsa pregação gerou perturbação, agitação mental. Dessa forma os crentes ficaram desequilibrados, como uma casa em que o alicerce foi danificado por um terremoto.
Não se sabe dizer o que àqueles pregadores ensinavam a respeito da volta de Cristo, mas, haviam perturbado a igreja.
E o problema era que esse ensinamento falso estava sendo transmitido através das falsas interpretações nas cartas de Paulo e até por cartas que supostamente tivessem sido escritas por ele.
Por isso, o apostolo escreve como se estivesse falando com uma criança: Quantas vezes eu terei que repetir.
2Ts 2.3:Não deixem que ninguém os engane com nada disso. Pois, antes desse dia, terá de acontecer a Revolta contra Deus, e terá de aparecer o Perverso, que está condenado a ir para o inferno”.
É como se o apostolo estivesse dizendo se esses falsos mestres estão causando todo esse tumulto e enganando vocês distorcendo o que já escrevi, prestem atenção, pois entre os sinais (terremoto, esfriamento do amor, guerras) há o levantamento do anticristo.
Se pessoas já se deixaram enganar por distorções, imagine, quando se levantar o anticristo?
A postura de alguns crentes quando surge um novo enganador com alguma novidade religiosa é desviar-se da fé. Jesus fez esse alerta (Mt 24.4) e o apostolo Paulo faz aqui em 2Ts 2.9.
Assim como os falsos mestres já enganaram e enganam a muitos (Mt 24.5,24), o anticristo também enganará.
O apostolo João é o que usa em suas cartas a expressão anticristo (1Jo 2.18,22; 4.3; 2Jo 7). Em toda a Bíblia, mesmo que não ocorra a expressão anticristo, a mesma o descreve como sendo opositor as coisas de Deus e ao próprio Deus.
Anticristo significa aquele que é contra e não em lugar de. O anticristo é aquele que desvia a pessoa de Cristo. O apostolo João em Apocalipse diz que o anticristo é a besta e o apostolo Paulo aqui em2Ts (2.3) o chama de homem do pecado, filho da perdição.
O profeta Daniel (Dn 11.43) escreveu que o diabo mostraria os tesouros escondidos na terra, para, com eles seduzir os homens.
O anticristo se colocará contra Deus escondendo o evangelho e dando autoridade a si próprio. O reino do anticristo é um novo culto a Deus, exaltando a autoridade humana e rejeitando a Cristo. Exaltando as obras humanas como meios de justificação diante de Deus e desprezando a obra de Cristo que verdadeiramente nos justifica diante de Deus.
As pessoas em Tessalônica estavam sendo enganadas por falsas interpretações das palavras nas cartas de Paulo. E da cidade de Corinto, escreve essa segunda carta como que dizendo: Quantas vezes eu terei que repetir.
Cuidado, pois vivemos tempos do fim. Os sinais são visíveis. Terremotos, guerras, esfriamento do amor, falsos profetas. No entanto, fique alerta com o anticristo, com aquele que coloca contra Cristo e sua obra.
O apostolo Paulo escreveu: “Ele será contra tudo o que as pessoas adoram e contra tudo o que elas acham que é divino. Ele vai se colocar acima de todos e até mesmo vai entrar e sentar-se no Templo de Deus e afirmar que é Deus! Por acaso vocês não lembram que eu lhes disse tudo isso quando estava com vocês? E vocês sabem também que existe alguma coisa que não deixa que isso aconteça agora; porém, no tempo certo, o Perverso aparecerá. A Misteriosa Maldade já está agindo, mas o que está para acontecer acontecerá somente depois que for afastado aquele que não deixa que isso aconteça. Então o Perverso aparecerá, e o Senhor Jesus, quando vier, o matará com um sopro e o destruirá com a sua gloriosa presença. O Perverso chegará com o poder de Satanás e fará todo tipo de falsos milagres e maravilhas. E enganará com todo tipo de maldade os que vão ser destruídos. Eles vão ser destruídos porque não aceitaram nem amaram a verdade que os poderia salvar. Por isso Deus envia o poder do erro para agir neles a fim de que acreditem naquilo que é falso. O resultado disso é que serão condenados todos os que não creem na verdade, mas têm prazer no pecado” (2T 2.4-12).
Será que somos capazes de resistir a isso?
Por nós mesmos não. Afinal, o pai da mentira enganou Eva e Adão e assim, nos lançou na sedução da mentira.
No entanto, o apostolo Paulo escreveu “Irmãos, sempre devemos dar graças a Deus por vocês, a quem o Senhor ama. Pois Deus os escolheu como os primeiros a serem salvos pelo poder do Espírito Santo e pela fé que vocês têm na verdade, a fim de tornar vocês o seu povo dedicado a ele” (2Ts 2.13).
Resistir ao anticristo, senhor da mentira, personificação da mentira, só é possível por que o Senhor Deus nos ama, e pelo poder do Espírito Santo nos escolhe e nos faz permanecer na verdade e nos dedicar a Cristo.
Portanto, irmãos, fiquem firmes e guardem aquelas verdades que ensinamos a vocês tanto nas nossas mensagens como na nossa carta” (2Ts 2.15). Não se deixe desviar da verdade que é Cristo diante do fim. Por isso, encerro essa mensagem com a oração do apostolo Paulo: “Que o próprio Jesus Cristo, o nosso Senhor, e Deus, o nosso Pai, que nos ama e que na sua bondade nos dá uma coragem que não acaba e uma esperança firme, encham o coração de vocês de ânimo e os tornem fortes para fazerem e dizerem tudo o que é bom!” (2Ts 2.16-17). Amém
Edson Ronaldo TREssmann

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

A mensagem da ressurreição: alerta contra o espiritismo!

Salmo 148; Êxodo 3.1-15; 2Tessalonicenses 2.1-8,13-17; Lucas20.27-40
Texto: Lucas20.27-40
Tema: A mensagem da ressurreição: alerta contra o espiritismo!
Edson Ronaldo Tressmann
Para muitos pessoas, a morte é o fim de tudo. O cemitério é a última morada. Muitos pedem para que na próxima reencarnação seja isso ou aquilo.
Você acredita em vida após a morte?
O episódio envolvendo Jesus e o embate teológico com os saduceus a respeito da ressurreição é narrada por três dos quatro evangelistas (Mateus, Marcos, Lucas).
Jesus está em Jerusalém, onde será preso, crucificado e ao terceiro dia ressuscitará.
Você crê na ressurreição dos mortos?
Infelizmente, o espiritismo têm conseguido espalhar sua semente entre os cristãos. Quem de nós já não ouviu as afirmações que citei anteriormente. São frases que refletem o esquecimento das verdades centrais da Bíblia e queda ao espiritismo.
Dias atrás foi divulgado uma matéria no IG (26/10/2019) de que pessoas após assistirem o filme “Eli” na Netflix estão tendo alucinações.
Querido irmão e irmã em Jesus. As pessoas tem despertado muito interesse pelo ocultismo. E nem sequer sabem os danos que isso pode lhes causar. O sobrenatural exerce fascínio sobre o ser humano. As limitações levam o ser humano a buscar o sobrenatural. E assim, desde um inocente horóscopo, passa a desenvolver um mundo de causas e efeitos aos quais fica atado, e impotente em gerir o calendário de sua vida. E de repente quando se deparam com um filme ou uma série que lhe traz respostas inconscientes, fica abalada emocionalmente e ocorre o que está ocorrendo com muitas pessoas diante desse filme “Eli”.
A morte é um mistério. E devido ao seu mistério, se torna um tema interessante, discutido e cheio de inquietações e dúvidas.
O mundo não quer mais dar atenção as palavras de Jesus de que no momento da morte, há só dois destinos: céu ou inferno. As pessoas não querem dar atenção as palavras de Cristo de que ao soar a trombeta, Ele voltará para julgar os vivos e os mortos que irão ressuscitar.
Jesus está num embate teológico com os saduceus. Quem eram os saduceus?
Apesar de ser um grupo religioso, o texto diz que eles não criam na ressurreição. Os saduceus tinham concepção a respeito da ressurreição bem diferente dos fariseus e outros grupos minoritários da época.
Se os saduceus não creem na ressurreição, qual motivo de terem argumentado com base na lei do levirato?
A lei do levirato prescrevia que se um irmão morresse sem deixar filhos, seu irmão deveria suscitar descendência na viúva. Com esse argumento, os saduceus, maneira sarcástica, debochavam do ensino de Jesus, por aceita-lo como salvador. A intenção deles era tirar a fama de Jesus, desprestigiar o seu ensino junto ao povo. Afinal, o povo estava fascinado com seu ensino (Lc 19.48).
Era possível também que o argumento visasse colocar Jesus em oposição aos fariseus que defendiam a ressurreição.
Falar sobre ressurreição em nossos dias é chocar-se com muitos que creem e defendem a reencarnação. O espiritismo tem invadido muitos lares e muitas pessoas não creem na ressurreição. Estão encantados com o espiritismo a ponto de não mais olhar para seus pecados, afinal, tudo faz parte do seu carma.
Querido irmão e irmã em Jesus. Muito cuidado e atenção.
Ao citar a lei do levirato e indicar que a mulher mesmo tendo se casado com todos os possíveis irmãos e não ter tido filho, os saduceus implicavam num pensamento corrente na época. Para muitos uma mulher não iria para o céu se não tivesse tido filhos. Assim, os saduceus colocavam Jesus em cheque, pois queriam ver como iria responder a essa pergunta.
Jesus, nesse embate teológico com os saduceus, foi questionado com base na lei de Moisés e fundamentado nessa mesma lei, Jesus responde (Ex 3.2-6) e está resumido no verso 38: “Ora, Deus não é Deus dos mortos, e sim de vivos; porque para ele todos vivem”.
Lembrando que Jesus está num debate teológico e assim, sua resposta é uma verdadeira aula de exegese e hermenêutica. Jesus, ao ser questionado pela lei de Moisés, na lei do levirato (Dt 25.5-6), ao responder com a mesma lei (Ex 3.2-6), mostra que a Palavra de Deus precisa ser corretamente interpretada. Afinal, uma falsa interpretação da Bíblia, conduz ao erro e as falsas crenças, assim como havia conduzido os saduceus.
Queridos irmãos e irmãs em Jesus, a igreja, não precisa apenas manter a Bíblia aberta, mas interpretá-la corretamente. É a sua interpretação que está em jogo.
Você crê na ressurreição?
O apostolo Paulo escreveu: “Se a nossa esperança em Cristo só vale para esta vida, nós somos as pessoas mais infelizes deste mundo. Mas a verdade é que Cristo foi ressuscitado, e isso é a garantia de que os que estão mortos também serão ressuscitados. Porque, assim como por meio de um homem veio a morte, assim também por meio de um homem veio a ressurreição. Assim como, por estarem unidos com Adão, todos morrem, assim também, por estarem unidos com Cristo, todos ressuscitarão” (1Co 15.19-22)
Todos os que não creem na ressurreição dos mortos são infelizes. Você que crê na ressurreição é uma pessoa feliz. E essa felicidade só é possível pelo poder de Deus que te deu e dá pela sua Palavra a fé em Cristo e a certeza da ressurreição.
Sendo você uma pessoa feliz, cuidado para te tornar uma pessoa infeliz. Cuidado com ensinos espiritas que apenas visam desvirtuar sua fé e certeza da ressurreição.
As sementes do espiritismo são semeadas todos os dias em nossos lares por meio dos mais variados programas de TV. E é comum ouvir cristãos, filhos da ressurreição (v.36) dizerem que estão carregando algum carma, ou que desejam na outra vida ser isso ou aquilo.
Você crê na ressurreição?
Jesus disse: “Ora, Deus não é Deus dos mortos, e sim de vivos; porque para ele todos vivem” (Lc 20.38)
Jesus ensina que Deus é Deus dos vivos. E os que já morreram?
Estão mortos para nós, mas diante de Deus estão vivos. Escreva na lápide: esses olhos que aqui foram enterrados, verão a Deus! (Jó 19.27). Jesus não duvida da ressurreição dos mortos e nos transmite essa certeza, sendo ele mesmo, como escreveu o apostolo Paulo: “...a verdade é que Cristo foi ressuscitado, e isso é a garantia de que os que estão mortos também serão ressuscitados” (1Co 15.20).
Não crer na ressurreição é negar a obra de Cristo. E negar a obra de Cristo é caminhar rumo ao inferno. Muitos, infelizmente estão se deixando levar pela malévola doutrina do espiritismo e deixando de viver a alegria e a felicidade da mensagem da ressurreição.
Temos muita dificuldade em testemunhar a mensagem da ressurreição. Quando alguém morre, muitos preferem consolar com mensagens exotéricas ao invés de insistir e falar sobre a ressurreição.
Já que a morte é uma intrusa convidada pelo homem a entrar na história (Gn 3), não se sabe lidar com essa estranha. Daí, fica-se paralisado e cheio de dúvidas e incertezas. E nessas dúvidas e incertezas, o espiritismo tem ganho muito espaço. Quem não gostaria de receber uma mensagem do seu ente querido do além? Jesus contou que alguém fez essa proposta: “Pai, eu te imploro que o mandes à minha casa paterna, porque tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de não virem também para este lugar de tormento” (Lc 16.27-28) e Jesus respondeu: “...Eles têm Moisés e os Profetas; ouçam-nos (Lc 16.29).
E Jesus com base em Moisés e também nos profetas exclama: “Ora, Deus não é Deus dos mortos, e sim de vivos; porque para ele todos vivem” (Lc 20.38).
Querido irmão e irmã é preciso destacar que o ateísmo está avançando no Brasil, principalmente entre jovens e intelectuais, bem como o espiritismo. E a ressurreição é uma questão de fé, não de lógica. Pela lógica, muitos estão se deixando levar por um caminho de perdição e na fé somos conduzidos pela fé a um caminho seguro e feliz: a vida eterna.
Jesus garante que Deus é Deus dos vivos. A morte não é toda poderosa, a morte não é o fim de tudo. O cemitério não é a última morada. Deus é Deus dos vivos - o poder de Deus é superior ao da morte.
Quando Jesus diz que Deus é Deus dos vivos está nos alertando para não ficarmos presos a este mundo e suas vãs filosofias. Afinal, sendo o nosso Deus, Deus dos vivos estejamos certos de que nós somos filhos da ressurreição (Lc 20.36).
Em Cristo, somos filhos de ressurreição e isso nos alegra e nos faz viver na certeza de que com esses olhos verei o meu Senhor. Amém!
Edson Ronaldo Tressmann

Dormindo tranquilo enquanto tudo parece desmoronar!

  18 de abril de 2021 Salmo 4; Atos 3.11-21; 1João 3.1-7; Lucas 24.36-49 Texto: Salmo 4 Tema: Dormindo tranquilo enquanto tudo parece...