quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Capacitados para usar novas roupas em 2013


30/12/12 – 1º Domingo após Natal
Sl 111; Ex 13. 1 – 3; 11 - 15; Cl 3. 12 - 17; Lc 2. 22 – 40
Tema: Capacitados para usar novas roupas em 2013

"Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade. Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós; acima de tudo isto, porém, esteja o amor, que é o vínculo da perfeição" (Colossenses 3. 12 - 14) 


         Mais uma vez se aproxima o fim do ano. E para a virada do ano a maior preocupação de muitas pessoas é a roupa, até mesmo a cor da roupa. Muitos adquirem roupas novas para se apresentar bem perante os outros. E muitos simplesmente adquirem uma roupa nova e com a cor tal por superstição.
         Ninguém quer virar o ano de roupa velha, a maioria quer e acha que é preciso roupa nova. A roupa nova, além de nos apresentar bem nos faz sentir bem perante as pessoas a nossa volta.
    
                O texto de Colossenses 3.12-14 também fala em algo novo – o novo homem. O que é isso? O homem foi criado perfeito, o mundo e tudo o que nele havia era bom. Mas o anjo Lúcifer, se revoltou contra a criação de Deus e lançou o pecado no mundo, enganando a mulher e o homem. Assim entrou o pecado no mundo. E desde aquele dia todo ser humano nascido de mulher, nasce em pecado, nasce com o velho homem. Mas a graça de Deus vem ao nosso encontro no Batismo. E pelo Batismo nascemos para Deus, recebemos o novo homem, as novas roupas de Deus. Desde o Batismo esse novo homem faz parte de nós. E para esse novo homem não há idade, sexo, cor ou nível social.
         Todos que são batizados em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo possuem o novo homem, a nova roupa de Deus. Então, assim como a roupa nova é para nos apresentar bem perante as outras pessoas, assim é o novo homem em nós. Ele nos apresenta diferente das pessoas do mundo para impactar as pessoas do mundo.
         O texto de Colessenses 3.12-14 ("Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade. Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós; acima de tudo isto, porém, esteja o amor, que é o vínculo da perfeição")  enumera as virtudes que caracterizam o vestuário do novo homem. O apóstolo Paulo em uma linguagem simples indica as vestes interiores e exteriores, e por fim, uma veste que cobre todas.
         Colossenses 3.12-14 ("Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade. Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós; acima de tudo isto, porém, esteja o amor, que é o vínculo da perfeição") indica as virtudes que caracteriza a nova roupa do novo homem.
          Desde o batismo fomos chamados a praticar estas virtudes, pois somos “... povo de Deus, Ele os amou e os escolheu para serem dele.” Pertencemos a Cristo. E por sermos de Cristo estamos revestidos de vestes interiores. Quais?...misericórdia, de bondade, de humildade”. Vestes colocadas em nós pelo Espírito Santo.
         O novo homem que é dado por Deus a cada pecador através do Batismo capacita a viver na sociedade em meio a tantos outros pecadores.
         Com o novo homem somos revestidos de roupas exteriores. Quais? Delicadeza, mansidão, paciência, suportar uns aos outros, e o perdão mútuo.
         Compramos roupas novas para nos sentir bem. Roupas novas nos apresentam bem para os outros. Deus em seu amor, nos vestiu através do batismo com roupas novas, colocou em nós o novo homem para nos fazer viver de uma maneira diferente nesse mundo. Com as roupas de Deus somos apresentados diferentes do mundo e no mundo.
           Deus nos veste de Roupas novas para vivermos o dia-a-dia e fazermos transformações em nosso dia-a-dia. Sem as roupas novas do novo homem é impossível viver na sociedade de maneira adequada, como Deus assim deseja.
         E, acima de tudo, tenham amor, pois o amor une perfeitamente todas as coisas.
         Sem amor é impossível. Como diz a Escritura Sagrada “nós amamos, porque ele nos amou primeiro.” Esse amor além de me lavar, também me revestiu de novas roupas. Roupas essas que me capacitam a viver neste mundo. Essas roupas são: misericórdia, bondade, humildade, mansidão, paciência, suportar um ao outro e o perdão.
         Que as novas roupas do novo homem colocadas em nós pelo batismo nos capacitem ainda mais para continuar a viver em sociedade amando nosso próximo. Que a roupa do novo homem seja a nossa apresentação diária em 2013. Essas roupas irão transformar a vida de muitas pessoas, e as guerras familiares, as discórdias, as intrigas serão superadas.
         Que não sejamos contaminados pela superstição da roupa para termos um novo ano abençoado. Que sejamos como portadores das novas roupas que Cristo os comunicadores das bênçãos recebidas de Deus, e que usemos o vestuário que Deus colocou e deixa a nossa disposição. Amém!
         Em Jesus Feliz 2013.

Pr Edson Ronaldo Tressmann
cristo_para_todos@hotmail.com

sábado, 22 de dezembro de 2012

FELIZ NATAL

        Que os leitores dos países citados abaixo sintam-se cumprimentados e abraçados nesse natal.

1 – Brasil; 2 – Alemanha; 3 – Argentina; 4 – Itália; 5 – Dinamarca; 6 – Moçambique; 7 – Portugal; 8 – Paraguai; 9 – Chile; 10 - Estados Unidos; 11 – Uruguai; 12 - África do Sul; 13 – Guatemala; 14 – Holanda; 15 – Suíça; 16 – Índia; 17 – Angola; 18 – Bolívia; 19 – Ucrânia; 20 – Austrália; 21 – Porto Rico; 22 – França; 23 – Peru; 24 – Reino Unido; 25 – Bélgica; 26 – Japão; 27 – Rússia; 28 – Cingapura; 29 – Letônia; 30 – Costa do Marfim; 31 – Turquia; 32 – Cabo Verde; 33 – Canadá; 34 – França; 35 – Taiwan; 36 – México; 37 – Romênia; 38 – Eslováquia; 39 – Coréia do Sul; 40 – Polônia; 41 – Israel; 42 – Panamá; 43 – Luxemburgo; 44 – Venezuela;

Feliz Natal

Frölich Fest       Frohe Weihnachten

Feliz Navidad         Buon Natale     Glaedelig Jul

Merry Christmas                                   Prettige Kerstdagen

Joyeux Noël                                                  Merry Malinois

Sarbatori ieseli                                              Merry Christmas

Wesotich `Swiat
Veselé Vianoce

       Que a mensagem do natal: “A Palavra se tornou um ser humano e morou entre nós, cheia de amor e verdade....” seja o verdadeiro motivo de nossa alegria. Nasceu o Salvador.  Ele veio morar entre nós.
       Feliz Natal!
       Obrigado por ter visitado esse blog  durante o ano de 2012. Que as 55 mensagens que nos conduziram ao menino Jesus, sejam as mensagens que nos orientem, consolem e confortem no ano de 2013 assim como nos confortaram durante o ano de 2012.
        Espero contar contigo no próximo ano.
       Abençoado natal.
       Em Jesus
       Edson Ronaldo Tressmann – pastor da IELB. Igreja Evangélica Luterana do Brasil.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Este é a nossa paz!

23/12/12 – 4º Domingo no Advento
A IGREJA COMUNICA A VIDA
Capacitando
O Senhor fará brilhar sobre nós a sua luz” (Lc 1.78)
Sl 80. 1 - 7; Mq 5. 2 – 5a; Hb 10. 5 - 10; Lc 1. 39 - 45
Tema: Este é a nossa paz.

         Imaginar algo que acontecerá daqui a 700 anos é difícil. Da mesma forma é difícil lembrar o que aconteceu 700 anos atrás.
         O futuro não tem importância se desconhecemos o passado. O passado me trás ao hoje e o hoje me leva ao amanhã. Mas, se não houve um passado, não há um hoje e menos importante será meu amanhã.
         Quando o povo de Deus se esquecia do passado, abandonava a Deus no presente. Abandonando a Deus no presente, qual seria sua importância no futuro? Justamente por ter um povo esquecido de sua terrível situação do passado, o presente era conturbado e o futuro incerto. E Deus, que amava seu povo, envia seus profetas que proclamavam o ocorrido no passado, o perigo do presente e os consolavam com a certeza do futuro.
         Hoje, dia 23 de dezembro de 2012, queremos meditar sobre nosso passado, entender a urgência da vida presente e nos consolar no futuro certo.
         E ele trará a paz...” (Mq 5.5a)
         Só que para entendermos a palavra anunciada pelo profeta Miquéias a mais ou menos 2700 anos atrás detalhes são importantes.
         O nome Miquéias significa “Quem é semelhante a Jeová?” E esse profeta anuncia que “... não há outro deus como o nosso Deus, pois perdoa os pecados e as maldades daqueles do teu povo que ficaram vivos. Nosso Deus não continua irado para sempre, mas tem prazer em nos mostrar sempre seu amor” (Mq 7.18). Essa mensagem do profeta Miquéias é de repreensão ao povo quanto aos seus muitos pecados cometidos na vida presente, e ao mesmo tempo é uma mensagem que aponta para a certeza de uma promessa feita num passado distante que não pode ser esquecido e os consola quanto ao futuro.
         A exemplo do profeta Isaias (2.1 – 4) que anunciou o estabelecimento da casa do Senhor, referindo-se a um futuro glorioso, e hoje, com base nas palavras do Novo Testamento, reconhecemos como sendo Jesus, o profeta Miquéias, 700 anos antes, não anunciou apenas o nascimento, como nos deu o local exato do nascimento de Jesus. Na pequena cidade de Belém-Efrata.
         Agora é interessante notar de acordo com as palavras apresentadas pelo evangelista Mateus, que o povo, 700 anos depois da profecia de Miquéias, estava eufórico. Afinal, as cidades que sempre viviam em calmaria, agora estavam recebendo muitas pessoas. O Imperador havia convocado um censo e todos deveriam ir a sua cidade de origem para recensear-se. Assim, cidades que antes brigavam para vender os poucos produtos que estavam no comércio, agora tinham seus hotéis lotados. A cidade alvoroçada, cheia de gente. E justamente essa agitação fez com que o povo no presente mais uma vez se esquecesse do passado tanto que precisaram ser lembrados por anjos nas campinas. Anos mais tarde, se lembraram do nascimento quando alguns viajantes vieram encontrar o novo rei que havia nascido.
         Deus tinha um povo que se esquecia com facilidade do passado, e assim o presente era conturbado e o futuro incerto. Será que nós somos assim? Minha esposa tem o costume de dizer que é data mais bonita do ano. Mas, estamos tão ocupados com outras coisas, comida, roupas que nos esquecemos do mais importante no natal.
         O profeta antecipou, assim como tantos outros a respeito do futuro. Mas um futuro que nunca esteve desvinculado do passado.
         O Senhor Deus diz: - Belém-Efrata, você é uma das menores cidades de Judá, mas do seu meio farei sair aquele que será o rei de Israel. ...” (Mq 5.1a).
         Belém significa “casa pão”, ou seja, “casa do pão.” E Efrata significa “produzir.” Com isso podemos dizer que de Efrata se produziria pão para alimentar todos os povos do mundo. Pois o próprio Jesus disse: “Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede” (Jo 6. 35). Essa proclamação continua por boca dos muitos profetas de hoje (pastores), mas o povo também continua o mesmo. Ou seja, continuam esquecidos do seu real passado.
         Todos nós somos pecadores desde nosso nascimento. E o pecado nos separa de Deus como lemos: “Todos pecaram e estão afastados da presença gloriosa de Deus” (Rm 3.23). E aproximar-se de Deus é algo impossível para o homem. Mas, é justamente dessa situação de perdidos eternamente para salvos que Deus enviou seu filho Jesus. Disse o apostolo Paulo: “Mas, pela sua graça e sem exigir nada, Deus aceita todos por meio de Cristo Jesus, que os salva” (Rm 3.24). E o autor a carta aos Hebreus deixou registrado: “E, porque Jesus Cristo fez o que Deus quis, nós somos purificados do pecado pela oferta que ele fez, uma vez por todas, do seu próprio corpo” (Hb 10.10)
         Esquecer o fato de toda a raça humana é pecadora desde a queda em pecado, é deixar-se seduzir pela nossa natureza corrompida e querer levar uma vida longe de Deus. E longe de Deus esquecemos que no natal, Deus veio ao nosso encontro para nos oferecer o pão da vida, o fruto de Belém, para nos dar paz com Deus.
         Infelizmente o Natal perdeu sua alegria inicial. E isso é porque assim como no primeiro natal, estamos cegados pela correria desenfreada do consumismo. Estamos cegados pelas inúmeras supostas “verdades” que o mundo pós-moderno nos oferece.
         A mensagem do profeta Miquéias “E ele trará a paz...” (Mq 5.5a) continua sendo anunciada. Nós é que infelizmente estamos tão esquecidos de nosso passado e sendo levados à miséria da fome, mesmo sendo conhecedores de que natal é o oferecimento do pão da vida para saciar essa fome espiritual. Nosso esquecimento do passado está nos afastado de uma vida no presente com alegria na certeza de que temos paz com Deus por meio do menino nascido na manjedoura em Belém.
         Que celebremos o presente natal na certeza de que nosso futuro, não importa se é daqui a 700 anos ou alguns dias, é um futuro maravilhoso, pois Jesus é a nossa paz com Deus (Mq 5.5a). Amém!
Rev. Edson Ronaldo Tressmann
(44) 3462 2796

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Capacitados para uma vida de alegria verdadeira

 16/12/12 – 3º Domingo no Advento
A IGREJA COMUNICA A VIDA
Capacitando
O Senhor fará brilhar sobre nós a sua luz” (Lc 1.78)
Sl 85; Sf 3. 14 - 20; Fp 4. 4 - 7; Lc 7. 18 - 28
Tema: Capacitados para uma vida de alegria verdadeira

         É possível estar sempre alegre?
         Hoje, estamos alegres?

         Nossa alegria se baseia somente em coisas boas aos nossos olhos. Mas, o que dizer daquele texto que nos transmite o seguinte recado: “Pois sabemos que todas as coisas trabalham juntas para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles a quem ele chamou de acordo com o seu plano” (Rm 8.28), e ainda: “Com a força que Cristo me dá, posso enfrentar qualquer situação” (Fp 4.13).
         É possível estar sempre alegre?
         A resposta Não é sinal de que somos fracos e pecadores. Devido a nossa natureza pecaminosa, o velho homem nos conduz ao desespero, a angústia e a dúvida.
         Quando olhamos ao nosso redor ficamos tristes. Depois do pecado o homem se tornou mal, a natureza geme e sofre, a dor está presente em cada lar, o sofrimento faz parte da vida humana, a violência ronda os lares, as drogas, os vícios. A grande cilada do nosso inimigo é fazer com que cada um olhe para si mesmo e para o outro, e assim não se sinta feliz, pois em comparação ao outro, sempre estamos numa pior. Olhamos demasiadamente para o que os outros têm e nos queixamos daquilo que não temos. Por isso, a pergunta: É possível estar sempre alegre? geralmente nos conduz a respondermos não. Afinal, aos nossos olhos somos mendigos e miseráveis, os outros é que possuem aquilo que queríamos ter.
         Ao falar em alegria pensamos nas riquezas, na saúde, bens materiais em abundância. Devido à velha natureza, nossos olhos se desviam do foco central da pergunta. É possível estar sempre alegre? Essa pergunta quer me conduzir à seguinte conclusão: nesse mundo não há a felicidade plena, pois nunca estou satisfeito com aquilo que tenho. Sempre estou à procura de algo que me faça mais feliz. Não basta ter comida, precisa ser um banquete acompanhado com churrasco de picanha.
         É possível estar sempre alegre? Depende para onde os meus olhos estão voltados. Se para o berço esplêndido, ou seja, para aquilo que o mundo acha admirável, nunca me sentirei plenamente feliz. Sempre haverá falta de algo. Enquanto nossos olhos estiverem voltados ao TER que o mundo tanto valoriza, estaremos respondendo Não.      
         Paulo ao escrever sua carta aos Filipenses, com alegria lhes agradecia pela ajuda que eles haviam enviado. E nessa carta redireciona o olhar dos filipenses para a verdadeira alegria. Mas como alguém que está preso pode apontar para a verdadeira alegria? Paulo conheceu a verdadeira alegria ao cair do cavalo na estrada para Damasco. Se antes da queda do cavalo sua alegria era prender e matar cristãos, após a queda do cavalo, sua maior alegria foi anunciar: Tenham sempre alegria, unidos com o Senhor! Repito: tenham alegria” (Fp 4.4).
         Saulo defendia sua religiosidade judaica com unhas e dentes. E o cumprimento da lei era requisito para se alcançar a felicidade eterna. No entanto, a queda do cavalo, o fez ver, mesmo cego por três dias, o que até agora com os dois olhos abertos não havia visto. Ele viu e descobriu o verdadeiro Jesus.
         Tendo seus olhos sido aberto pela verdadeira alegria, Paulo passou a focar seu olhar para as coisas realmente necessárias e importantes. Sua alegria passou a ter verdadeiro sentido. E segundo suas palavras, ela não estava nos bens materiais: “..., aprendi a estar satisfeito com o que tenho. Sei o que é estar necessitado e sei também o que é ter mais do que preciso. Aprendi o segredo de me sentir contente em todo o lugar e em qualquer situação, quer esteja alimentado ou com fome, quer tenha muito ou tenha pouco”. Será que é necessário que caiamos do cavalo para ajustar nosso ponto de vista? Pois, ao contrário de milhares hoje em dia o apostolo Paulo responde que é possível sim estarmos alegres em todo o tempo.
         O nosso inimigo que faz uso do mundo e da nossa carne nos cega para a boa noticia do evangelho. Ele nos torna míope e nem sempre estamos focados na verdadeira alegria. Entramos no oba-oba do mundo e já achamos que não existe natal se não houver  muita comida, roupa nova, presentes. Até fazemos campanhas para alimentar pessoas. Afinal, ao menos no natal as pessoas precisam ter o que comer. Mas, e os outros 364 dias? Na mensagem do dia 21 de outubro desse ano de 2012, fizemos a pergunta: Será que não estamos doentes pelo consumismo e materialismo? E a resposta com base em Eclesiastes 5. 10 – 20 é que a Riqueza é um dom de Deus.
         E esse dom está sendo corrompido pela nossa velha natureza. Estamos nos deixando levar pela onda do TER. Concluímos e respondemos falsamente que não é possível estar sempre alegre.
         De maneira surpreendente Deus nos manda um recado de um preso que estava sendo atendido em suas necessidades básicas.
         O recado é que tenhamos alegria. Não uma alegria fundamentada no TER. Pois, “O que foi que trouxemos para o mundo? Nada! E o que vamos levar do mundo? Nada! Portanto, se temos comida e roupas, fiquemos contentes com isso. Porém os que querem ficar ricos caem em pecado, ao serem tentados, e ficam presos na armadilha de muitos desejos tolos, que fazem mal e levam as pessoas a se afundarem na desgraça e destruição. Pois o amor ao dinheiro é a raiz de todos os tipos de males. E algumas pessoas, por quererem tanto ter dinheiro, se desviaram da fé e encheram a sua vida de sofrimentos” (1Tm 6.7-10).
         O recado para a verdadeira alegria está na certeza de que estamos Unidos com o Senhor.
         A pergunta É possível estar sempre alegre? não é fácil e simples de ser respondida. Na luta contra o velho homem, o novo homem em mim pelo batismo, guiado pelo Espírito Santo, foca meus olhos na certeza de que estou unido com o Senhor. E unido com o Senhor Deus em Jesus eu respondo que é SIM possível estar sempre alegre.
         Ouçam a palavra de Deus: “Tenham sempre alegria,.....Como? ...unidos com o Senhor!” Nós, miseráveis pecadores, somos convidados a olhar para Cristo. A tristeza vai bater em nossa porta, o desespero vai querer nos dominar, as dúvidas vão nos assaltar. Mas, mesmo que a tristeza consiga encontrar a porta aberta, o desespero se apossar de nossa casa, não deixe que o inimigo tire de você a certeza de que você está UNIDO com o Senhor em Jesus.
         Estamos bem próximos de comemorar o nascimento de Jesus. Que nosso olhar volte para o berço de palha em Belém. E vejamos o menino Jesus que veio para nos unir ao Pai e nos tornar seus filhos e herdeiro dos céus. Ouçamos o que Deus em sua santa Palavra nos diz: “Conservemos os nossos olhos fixos em Jesus, pois é por meio dele que a nossa fé começa, e é ele quem a aperfeiçoa. Ele não deixou que a cruz fizesse com que ele desistisse. Pelo contrário, por causa da alegria que lhe foi prometida, ele não se importou com a humilhação de morrer na cruz e agora está sentado do lado direito do trono de Deus” (Hb 12.2). Olhando para Jesus Cristo há motivos para estarmos alegres todos os dias. Pois todas as coisas estão nas mãos de Deus, pois Ele dirige os nossos passos, “As pessoas podem fazer seus planos, porém é o Senhor Deus quem dá a última palavra” (Pv 16.1). E se é Deus quem dá a ultima palavra, porque nos entristecer quando algum plano dá errado?
         É possível estar sempre alegre? Se olharmos em todos os momentos para Cristo sim. Deus é aquele que nos governa e sustenta e aquele que nos salvou e salva. Como eu posso olhar para Jesus todos os dias, se sou tentado constantemente a me afastar dele? Ore assim como os discípulos: “...aumenta-nos a fé” (Lc 17.5). Na fé ouvimos as palavras: “Que a esperança que vocês têm os mantenha alegres; agüentem com paciência os sofrimentos e orem sempre” (Rm 12.12).
         A é o maravilhoso presente concedido por Deus para cada pessoa no batismo. Essa fé é constantemente alimentada pela Pregação da Palavra, pelo Corpo e Sangue de Cristo dados com e sob o pão e o vinho.
         A união com o Senhor se reflete na união com a Igreja Cristã. Na comunhão dos santos visíveis recebemos de Deus as ricas bênçãos: perdão, vida e salvação.
         Na comunhão dos santos visíveis somos alimentados na fé para podermos na fé, na certeza de que estamos unidos com o Senhor, permanecer alegres todos os dias. Pois a nossa alegria não está em coisas terrenas e materiais, “...e sim porque o vosso nome está arrolado nos céus” (Lc 10.20b). Na certeza da salvação vivemos nossos dias felizes, pois “...somos cidadãos dos céus e estamos esperando ansiosamente o nosso salvador, o Senhor Jesus Cristo, que virá de lá” (Fp 3.20), e “...somos estrangeiros de passagem por este mundo...” (1Pe 2.11).
         É possível estar sempre alegre? Quando olhamos para Cristo, SIM. No entanto, se no dia-a-dia, devido a nossa velha natureza, voltarmos nosso olhar para nós e para nossas forças, a alegria da união com Cristo não será manifestada.
         É possível estar sempre alegre? Quando olhamos para Cristo, SIM. Como disse Paulo aos Coríntios: “Às vezes ficamos tristes, outras vezes ficamos alegres. Parecemos pobres, mas enriquecemos muitas pessoas. Parece que não temos nada, mas na verdade possuímos tudo” (2Co 6.10), e esse tudo é a mensagem do evangelho, a mensagem de que temos união com Cristo Jesus nosso Senhor.
         É possível estar sempre alegre? Sim! Pois “nossa alegria está na verdade que estamos unidos com o Senhor.” Por isso, Tenham sempre alegria, unidos com o Senhor! Repito: tenham alegria”. Amém!

Pr Edson Ronaldo Tressmann

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Deus nos capacita para continuar o trabalho

09/12/12 – 2º Domingo no Advento
A IGREJA COMUNICA A VIDA
Capacitando
O Senhor fará brilhar sobre nós a sua luz” (Lc 1.78)
Sl 66. 1 - 12; Ml 3. 1 - 7; Fp 1. 2 - 11; Lc 3. 1 - 14
Tema: Deus nos capacita para continuar o Trabalho.


         Mesmo Lutero sendo o autor dos dois catecismos, o menor e o maior, dizia que sempre queria ser aluno do catecismo. Por que esse desejo? Ele sabia que o trabalho de Deus continua através do estudo constante da Palavra de Deus. Quando elaborou o catecismo foi devido à situação espiritual deplorável do povo. O estudo continuado tinha como objetivo a instrução, o crescimento espiritual, o conhecimento nas verdades das Escrituras Sagradas.
         Nessa segunda semana de advento queremos refletir e comunicar as palavras da carta de Paulo aos Filipenses cap. 1 verso 6: “Pois eu estou certo de que Deus, que começou esse bom trabalho na vida de vocês, vai continuá-lo até que esteja completo no dia de Cristo Jesus.

Deus nos capacita para continuar o trabalho
         Paulo estava preso em Roma e recebeu a visita de um pastor. O pastor Epafrodito levou a Paulo ajuda dos cristãos da cidade de Filipos. Depois de uns dias com Paulo houve a troca de informações sobre a vida daquela igreja e a vida espiritual daqueles cristãos.
         Durante a sua 2º viagem missionária, Paulo esteve em Filipos, e na beira do rio, iniciou o trabalho missionário naquele lugar. Da cidade de Filipos temos a 1º mulher convertida ao cristianismo na Europa, Lídia.
         Foi bom receber mais uma vez auxilio dos cristãos filipenses, já era a 3º vez. Outras duas vezes haviam enviado auxilio quando Paulo estava em Tessalônica. Agora junto com o auxilio, Paulo também recebe por parte do pastor Epafrodito a noticia de que aqueles cristãos estavam sendo atormentados por falsos ensinos. E em meio à confusão devido aos falsos ensinos, estavam começando a se desunir. Por isso na carta vemos os insistentes pedidos de Paulo para que eles se mantivessem unidos, 2.1-2; 3.1; 4.1.
         Depois de iniciar sua carta como costumeiramente fazia saudando a todos na graça e na paz de Cristo, lhes traz à mente a alegria da cooperação no evangelho, e logo anuncia que “...Deus, que começou esse bom trabalho na vida de vocês, vai continuá-lo até que esteja completo no dia de Cristo Jesus”. Parece ser eco das palavras de Jesus: “Não foram vocês que me escolheram; pelo contrário, fui eu que os escolhi para que vão e dêem fruto e que esse fruto não se perca. Isso a fim de que o Pai lhes dê tudo o que pedirem em meu nome” (Jo 15.16).
         Não fomos nós que nos fizemos cristãos. Não fui eu quem aceitou Jesus. Foi Deus em seu próprio coração, na sua misericórdia que veio a nós e nos presenteou com a fé. Esse é o bom trabalho iniciado em nossas vidas. E Deus deseja continuar realizando esse trabalho em nós.
Deus nos capacita para continuar o trabalho
         Esse bom trabalho iniciado em nós é algo continuo, através da Palavra, pregação e estudo e pelo sacramento do altar.
         Tendo iniciado o bom trabalho no batismo, Deus continua o bom trabalho. Infelizmente como vimos em outro culto, no mês de novembro, muitos abandonaram esse bom trabalho que Deus iniciou e quer continuar. Por outro lado, há aqueles que acham que sabem tudo sobre o reino de Deus, esquecendo-se de que a recomendação bíblica e clara: “Depois de tanto tempo, vocês já deviam ser mestres, mas ainda precisam de alguém que lhes ensine as primeiras lições dos ensinamentos de Deus. Em vez de alimento sólido, vocês ainda precisam de leite” (Hb 5.12). Um bom trabalho iniciado pelo poder de Deus, através do batismo, é um bom trabalho para ser continuado também pelo poder de Deus através da Palavra e do Sacramento do altar.
         Pois eu estou certo de que Deus, que começou esse bom trabalho na vida de vocês, vai continuá-lo até que esteja completo no dia de Cristo Jesus.
Deus nos capacita para continuar o trabalho
         Depois de anunciar com todas as letras que o bom trabalho iniciado é continuo, Paulo leva os cristãos à reflexão em torno do verdadeiro objetivo de sua epistola. Pela fé iniciada e continuada: crescer no amor e saber discernir o que é bom; não se deixa levar por qualquer vento de doutrina; e, manifestar os frutos de justiça, amor, alegria, bondade, paciência. Se todos, devido à confusão dos falsos ensinos, abandonassem uns aos outros, seria a própria pregação do evangelho, o bom trabalho iniciado naqueles cristãos que estaria correndo o risco de ser perdido.
         Deus iniciou um bom trabalho em nossa vida. E é Deus mesmo que nos capacita para continuar o trabalho. Deus nos capacita para que ele mesmo possa fazer e continuar o trabalho. Isso é pura graça.
         Estejamos firmes e inabaláveis na fé. Pois, nosso inimigo não quer que esse trabalho comece, nem mesmo seja continuo, por isso impede de todas as maneiras para que eu e você não sejamos atingidos com a mensagem a respeito de Jesus Cristo. É primordial que nossa fé seja alimentada.
         O trabalho continua.
         Deus nos capacita para continuar o trabalhoele capacita uns para anunciar a mensagem; outros para testemunhar; outros para ofertar. E através disso o bom trabalho de Deus vai sendo iniciado e continuado.
         Pois eu estou certo de que Deus, que começou esse bom trabalho na vida de vocês, vai continuá-lo até que esteja completo no dia de Cristo Jesus”. Amém!

Pr. Edson Ronaldo Tressmann
44 – 3462 2796
cristo_para_todos@hotmail.com

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Capacitados para amar

02/12/12 – 1º Domingo no Advento
A IGREJA COMUNICA A VIDA
Capacitando, Jesus o sol nascente.
O Senhor fará brilhar sobre nós a sua luz” (Lc 1.78)
Sl 25. 1 - 10; Jr 33. 14 - 16; 1Ts 3. 9 - 13; Lc 19. 28 – 40 ou 21. 25 - 36
Tema: Capacitados para amar



     Estamos iniciando um novo ano no calendário da Igreja. Advento. E também a nova ênfase temática na IELB. Continuamos até 2014 a Comunicar a Vida, mas de dezembro de 2012 a novembro de 2013, queremos Comunicar sobre Jesus, o Sol Nascente. Descobriremos que Jesus, aquele que assim como o sol aquece nosso coração, nossa vida, nos faz, assim como se faz a uma semente morrer no solo, germinar, crescer e produzir frutos.
         Em Jesus somos capacitados. E conforme a primeira carta de Paulo aos cristãos da cidade de Tessalônica a igreja comunica que em Jesus somos capacitados para amar.
         No natal lembramos a primeira vinda de Jesus. No entanto, nós cristãos do século XXI, estamos nos preparando para a segunda vinda de Cristo. E sua segunda vinda será, conforme nossa confissão de fé, para julgar vivos e mortos.
         Enquanto aguardamos é importante que continuemos a viver nossa vida cristã. Vida essa iniciada com o batismo, onde o Espírito Santo operou em nós a fé verdadeira. Enquanto aguardamos somos alimentados na fé pela pregação da Palavra de Deus e também na Santa Ceia. No batismo recebemos o perdão, por ocasião da pregação da Palavra de Deus recebemos o perdão, e na comunhão também recebemos o perdão. E perdoados somos santificados e capacitados para viver a nova vida que nos é dada em Jesus.
         E nessa nova vida refletimos as virtudes cristãs. E é necessário empenho para preservação das virtudes cristãs. No entanto, a preservação dessas virtudes não está em nós, ou naquilo que fazemos, nem mesmo numa espiritualidade hipócrita e contemplativa. As virtudes cristãs, as quais Deus em seu amor nos concede são buscadas nos meios aos quais Deus mesmo nos dá: Batismo, Palavra e Santa Ceia.
         É necessário uso constante desses meios. Nosso inimigo, o diabo, como diz o apostolo Pedro é como um leão que ruge procurando alguém para devorar. Ele não deseja que façamos uso desses meios e fará, a qualquer custo, com que cada filho e filha de Deus desistam desses meios. E assim, ouvimos e meditaremos na oração do apostolo Paulo: “Que cresça cada vez o amor que vocês têm uns pelos outros”.
         Segundo o livro de Atos no cap. 17.2 vemos que o apóstolo Paulo por 3 semanas fez um trabalho de evangelismo na cidade de Tessalônica. Essa cidade era muito importante naquela época. Ali havia um porto que servia de rota para o tráfego comercial entre Roma e o Oriente, a Ásia Menor.
         Nessa importante cidade, Paulo se ocupou em levar a mais importante mensagem, o evangelho. Diante da pregação do evangelho, o Dr. Lucas no livro de Atos relata que muitos chegaram à fé. Diante da pregação do evangelho houve resultados positivos, mas também houve aqueles que não receberam bem o evangelho. E assim, a inveja de alguns judeus obrigou o apostolo Paulo a ter que se retirar da cidade escondido.
         Dias depois, Paulo, da cidade de Atenas envia o jovem Timóteo para averiguar como estava a igreja recém formada em Tessalônica. Timóteo viu de perto a fé sincera dos tessalonicenses e a sua resposta verdadeira ao amor de Deus, pois os mesmos se mantinham firmes e inabaláveis na vida cristã.
         Após a visita, Timóteo se dirige a Corinto, onde estava o apóstolo Paulo e relata as boas noticias dos cristãos e da igreja de Tessalônica. A fidelidade dos tessalonicenses se tornou exemplo para todos os cristãos da Macedônia.
         De Corinto, Paulo escreve aos Tessalonicenses. E nessa carta agradece a Deus pela fidelidade de cada cristão e também instrui sobre alguns assuntos, principalmente sobre a segunda vinda de Cristo.
         Apesar de boas notícias, cada membro daquela igreja, assim como hoje, era composta por pecadores. E o diabo, inimigo da igreja, estava ao redor procurando pessoas para devorar. Por isso, Paulo diz no v. 10 “dia e noite pedimos a ele (Deus) de todo o coração que nos deixe ir vê-los pessoalmente para podermos completar o que ainda falta na fé que vocês têm”.
         Completar o que ainda falta na fé - Paulo não se refere à fé que salva, mas sim a santificação. A prática da fé salvadora. E para que essa prática aumente cada vez mais, Paulo ora: “Que cresça cada vez o amor que vocês têm uns pelos outros”.
         Um dos ataques do inimigo era a falta de amor de uns para com os outros. Por isso, a oração de Paulo é tão importante, pois se existem falhas, com amor fraternal irá se superar as dificuldades.
         A igreja merecia os elogios de Timóteo e o agradecimento do apóstolo Paulo, tanto que ele diz: “Finalmente, irmãos, vocês aprenderam de nós como devem viver para agradar a Deus; e é assim mesmo que vocês têm vivido. E agora pedimos e aconselhamos, em nome do Senhor Jesus, que façam ainda mais” (1Ts 4.1). Devido à natureza pecaminosa Paulo os aconselhou para que o amor aumente ainda mais e além do conselho orou por esse crescimento do amor de uns para com os outros.
         Temos orado? Em favor de que estamos orando? Paulo pediu para que o amor entre os Tessalonicenses aumentasse cada vez mais. Entre nós existe amor fraternal? Como pastor da congregação Concórdia de Querência do Norte, respondo que sim. Em Querência do Norte há amor fraternal. Mas, como pastor, digo que precisamos orar como Paulo pedindo que esse amor cresça cada vez mais. E junto as nossas orações agir assim como disse Paulo recomendou à Filemon: “...é um querido irmão em Cristo” (Fm 16).
         Somos santos e santificados, e precisamos lutar para que essa santificação cresça a cada novo dia. Que possamos como santos e santificados crescer no amor fraternal. Qual é a importância do amor fraternal em nossas relações? No amor se entende o irmão fraco na fé; se perdoa o que erra; socorre nas dúvidas; se ajuda um ao outro, como disse o próprio Paulo aos Gálatas: “...que o amor faça com que vocês sirvam uns aos outros” (Gl 5.13b), e ainda aos Romanos: “Não fiquem devendo nada a ninguém. A única divida que vocês devem ter é a de amar uns aos outros....” (Rm 13.8a). E se minha dívida é amar o outro, que paguemos essa dívida com amor. E amando continuaremos devendo, assim continuemos amando.
         Uma oração - “Que cresça cada vez o amor que vocês têm uns pelos outros”.
         Sim! O amor de Cristo manifestado a nós é que nos motiva e leva a agir em favor do nosso irmão. Paulo disse aos Romanos: “Mas Deus nos mostrou o quanto nos ama: Cristo morreu por nós quando ainda vivíamos no pecado. E, agora que fomos aceitos por Deus por meio da morte de Cristo na cruz, é mais certo ainda que ficaremos livres, por meio dele, do castigo de Deus. nós éramos inimigos de Deus, mas ele nos tornou seus amigos por meio da morte de seu Filho. E, agora que somos amigos de Deus, é mais certo ainda que seremos salvos pela vida de Cristo. E não somente isso, mas também nós nos alegraremos por causa daquilo que Deus fez por meio do nosso Senhor Jesus Cristo, que agora nos tornou amigos de Deus” (Rm 5.8-11), e segue Pedro: “Finalmente, sede todos de igual ânimo, compadecidos, fraternalmente amigos, misericordiosos, humildes” (1Pe 3.8). E se afirmamos, confessamos e entendemos que somos filhos de Deus através da boa obra que o Espírito Santo operou em nosso coração, a fé, ouçamos o apostolo João que diz: “Queridos amigos, amemos uns aos outros porque o amor vem de Deus. Quem ama é filho de Deus e conhece a Deus” (1Jo 4.7), assim sendo, somos recomendados: “Amem uns aos outros com o amor de irmãos em Cristo e se esforcem para tratar uns aos outros com respeito” (Rm 12.10).
         Que cresça cada vez o amor que vocês têm uns pelos outros”.
         Que o amor que está em nós, fruto do Espírito Santo em nossa vida se manifeste em alegria, paz, paciência, delicadeza, bondade, fidelidade, humildade, domínio próprio. Que a cada novo dia possamos orar assim como Paulo orou: “Que cresça cada vez o amor que vocês têm uns pelos outros.” E que vivamos no exercício desse amor até o dia em que Cristo venha.
         Vamos então orar em conjunto assim como Paulo orou: “Que cresça cada vez o amor que vocês têm uns pelos outros”. Que o amor cresça continuamente entre nós e que oremos dia após dia e busquemos na prática do amor diário para que esse amor de fato cresça. Amém!
Pr Edson Ronaldo Tressmann

Dormindo tranquilo enquanto tudo parece desmoronar!

  18 de abril de 2021 Salmo 4; Atos 3.11-21; 1João 3.1-7; Lucas 24.36-49 Texto: Salmo 4 Tema: Dormindo tranquilo enquanto tudo parece...