segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Sexualidade: entre a criação e o politicamente correto!

04/10/2015
19º Domingo após Pentecostes
Sl 128; Gn 2.18-25; Hb 2.1-13; Mc 10.2-16
Tema: Sexualidade: entre a criação e o politicamente correto!

         O dia 04 de outubro de 2015 poderia, a julgar pelas leituras bíblicas do lecionário cristão, ser decretado como o domingo da reflexão em torno da união entre homem e mulher. Bem, há quem diga que não é politicamente correto interferir na opção sexual de alguém. No entanto, um mundo que prioriza o politicamente correto, corre o risco de incorrer no eternamente condenado.
         De acordo com o que a Igreja Evangélica Luterana do Brasil ensina, crê e confessa, o casamento não é um sacramento, mas, nem por isso, é um assunto menos importante. A união entre homem e mulher é defendido e proclamado dentro dessa igreja confessional, afinal, o autor do casamento, o arquiteto da base da sociedade é Deus.
         Sem medo do politicamente correto, afirmo que “Sem o casamento entre homem e mulher e sem a família, a sociedade está fadada ao fracasso!
         Após ter criado todas as coisas, Deus observou que não é bom que o homem esteja só. Assim, de uma das costelas do homem, formou a mulher. “Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou” (Gn 1.27).
         A afirmação do texto bíblico é que ambos os sexos são diferentes. Essa diferença entre ambos os sexos continua até os dias de hoje, aliás, diferença essa que aliada a natureza pecaminosa, ou seja, “por causa da dureza do coração” tem causado muitas rebeliões familiares e até uma possível correção, pois, muitos acreditam que Deus tenha errado ao lhe dar um corpo masculino e mentalidade feminina.
         Após a constatação de que todos os animais tinham seu parceiro, machos e fêmeas, Deus fez cair um pesado sono no homem e fez uma cirurgia, não a de CRS (Cirurgia de Redesignação Sexual). Deus não alterou a sexualidade de Adão, foi além, da costela de Adão formou a mulher, a melhor parte do homem. Mas, assim como é no caso do divórcio, a “dureza do coração...” humano faz com que o homem ou a mulher acreditem que sua sexualidade não lhes é a adequada e buscam corrigir o que para muitos Deus equivocadamente fez.
         O casamento entre homem e mulher mostra o propósito inicial de Deus na criação. O divórcio é justamente o remendo, é uma possível correção que muitos buscam fazer, já que Deus lhes concedeu uma auxiliadora ruim, ou um companheiro que não é companheiro.
         “A dureza do coração” está levando o homem a se revoltar contra a coisa maravilhosa que Deus criou, seres humanos com sexualidades diferentes.   
         Muitos, principalmente os politicamente corretos não aceitam a realidade do homem e mulher e a diferença na sexualidade e brigam pela questão de gênero. O argumento é de que Deus se equivocou. Argumentam que é preciso que a sociedade evolua politicamente e tecnologicamente. 
         Homem e mulher, sexualidades diferentes, é fruto do conselho divino, da santíssima trindade. O homem, um simples ser mortal, que tem sua sabedoria limitada, quer corrigir um suposto erro divino, de uma maneira banal, classificando a obra prima de Deus em questão de gênero.
         Ao ver que não era bom que o homem estivesse sozinho, Deus lhe presenteou com a mulher, por isso, “O que acha uma esposa acha o bem e alcançou a benevolência do Senhor” (Pv 18.22). Mas, “a dureza do coração humano” faz com que o pasto do vizinho seja mais verde. Por causa da “dureza do coração humano” milhares agem como os fariseus, ou seja, repudiam sua esposa ou esposo e querem uma resposta bíblica para seu ato.
         Se não fosse “a dureza do coração humano” as relações humanas e a diferença dos sexos não seria causa de discórdia e intrigas. Tanto a diferença do sexo bem como a união entre homem e mulher foi um projeto de Deus pensando na felicidade e bem estar, mas, o inimigo de Deus e dos homens, o diabo, assim como foi por ocasião da queda busca destruir esse bem estar e essa felicidade.
         O ministro do evangelho não foi e não é enviado para “condenar”, afinal, nem Jesus condenou a mulher adúltera (Jo 8.11). O objetivo das palavras de hoje não visam condenar e nem destruir ninguém, mas, chamar de volta ao verdadeiro caminho, pois todo aquele que se arrepende recebe o perdão (Lc 15.10). No perdão oferecido e dado por Jesus, mesmo que houve algum remendo, divórcio ou CRS, há a possibilidade de uma vida feliz e abençoada. Amém!



M.S.T. Rev. Edson Ronaldo Tressmann

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

No sofrimento - ORE!

27/09/2015
18º Domingo após Pentecostes
Salmo 104.27-35; Números 11.4-6;10-16; 24-29; Tiago 5.13-20; Marcos 9.38-50
Tema: No sofrimento – ORE!

         Nos dias atuais dizer as palavras do apóstolo Tiago: “Está alguém entre vós sofrendo? Faça oração. Está alguém alegre? Cante louvores” (Tg 5.13), parece irracional.    
         O sofrimento não é aceitável para as pessoas. Afinal, sofrimento é sinal de fraqueza. Enquanto o mundo em sua natureza pecadora não aceita os sinais de fraqueza, Deus, em seu amor e misericórdia diz que é “na fraqueza que o seu poder se aperfeiçoa” (2Co 12.9). “Na fraqueza é que somos fortes” (2Co 12.10).
         Através dos historiadores recebemos a informação de que Tiago era um homem dedicadíssimo a oração. Na oração, dobra-se os joelhos, em sinal de fraqueza diante de alguém superior.
         Quer queira, quer não, todos somos criaturas, criadas por Deus para que não houvesse sofrimento. Mas, infelizmente, a queda em pecado, trouxe consigo a doença, as dores, o sofrimento e a morte.
         Devido à natureza pecaminosa a fraqueza tão questionada e inaceitável é usada por Deus para nos tornar fortes e nos mostrar que o exercício de fortalecimento está no dobrar os joelhos. Diz o apóstolo Tiago: “...está sofrendo? Faça oração. Está alguém alegra? Cante louvores” (Tg 5.13).
         O apóstolo Tiago diz que o exercício da oração diária feita com fé salvará o enfermo.
         O sofrimento mostra a fraqueza humana. Toda fraqueza humana precisa ser curada para que o fraco se recupere. Para que o fraco se recupere o apóstolo Tiago recomenda que se ore, e que os presbíteros sejam chamados para que orem pelo sofredor.
         Além da oração, o apóstolo Tiago aconselha a confissão dos pecados. O pecado nos afasta de Deus e leva o ser humano a prática das mais variadas maldades humanas. Essas maldades, cada sofredor é convidado a confessá-las a Deus que em Jesus pagou todas as nossas culpas.
         Ao recomendar que “Está alguém entre vós sofrendo? Faça oração. ...” (Tg 5.13), o apóstolo Tiago aconselha sobre os perigos que os cristãos sofrem em deixar de orar. Certa vez Lutero, um homem de oração disse: “É certo que podem surgir tarefas diferentes, tão boas ou até melhores do que a oração. Principalmente se houver necessidade”.  

         O risco de deixar de orar é constante!
         “Precisamos cuidar para não nos desabituarmos da oração, ...ficando desse modo relaxados e preguiçosos, frios e enfastiados em relação a oração”. Lembre-se: “...o que atualmente existe e persiste, tanto na esfera espiritual quanto na civil, naturalmente é preservado pela oração”.
         Ao dizer: “Está alguém entre vós sofrendo? Faça oração. Está alguém alegre? Cante louvores” (Tg 5.13), o apóstolo enumera que “a oração é um exercício especial da fé”, pois mostra que todos dependem de Deus, principalmente no aperto. Amém!


M.S.T. Rev. Edson Ronaldo Tressmann

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

O verdadeiro sábio!

20/09/2015
17º Domingo após Pentecostes
Salmo 54; Jeremias 11.18-20; Tiago 3.13-4.10; Marcos 9.30-37
Tema: O verdadeiro sábio!

         Quem você considera sábio ou inteligente? Você deseja sabedoria? 

         A sabedoria é um dom divino! Sabedoria foi o pedido de Salomão à Deus (1Rs 3.6-12). Pedir por sabedoria é o conselho do apóstolo Tiago (Tg 1.5).
         Cada pessoa no exercício diário na sua vocação precisa de sabedoria. No exercício da vocação, cada qual necessita tomar decisões, resolver problemas, contornar situações delicadas.
         Salomão pediu por sabedoria e a recebeu de Deus. Dessa sabedoria recebida de Deus, o Livro de Provérbios indica que o mesmo ajudou muitas pessoas.
         Sabedoria – acredito que muitos a desejamos. Mas, para que se deseja sabedoria?
         Salomão recebeu tanta sabedoria, que de acordo com a tradição israelita, chegou a ser o protótipo de sábio. Salomão era hábil administrador. Durante seu reinado houve muita prosperidade. Segundo os povos do Antigo Oriente a principal responsabilidade era justamente estabelecer uma ordem social justa, conforme o próprio Salomão relata em seu Salmo (Sl 72).
         A sabedoria de Salomão atingia três grandes áreas. Sabedoria judicial (1Rs 3.16-28); Sabedoria intelectual (1Rs 4.32-33); Sabedoria Administrativa (1Rs 4.1-19).
         Quem você considera sábio ou inteligente? Você deseja sabedoria? Para que se deseja sabedoria?
         Salomão foi muito sábio, mas, assim como tantos outros, acabou se perdendo. Como um sábio pode perder-se?
         De acordo com 1Rs 11, Salomão se perdeu religiosamente. Adorando outros deuses (1Rs 11.4-5); desobedecendo a lei de Deus (1Rs 11.11) e adorando em outros santuários (1Rs 11.7). Já 1Rs 12 mostra que Salomão se perdeu socialmente. Perdendo a qualidade necessária a um rei, ou seja, o reino se dividiu devido a injustiça social. Toda essa injustiça social levou o reino do Norte, Israel, cometer muitos pecados. Sendo esses questionados pelo profeta Amós.
         Quem você considera sábio ou inteligente? Você deseja sabedoria? Para que se deseja sabedoria?
         A sabedoria pode ser carnal. A sabedoria é carnal quando o sábio, ou, o inteligente tem em vista a sua própria glória. E é justamente isso que o apóstolo Tiago transmite ao escrever: “Existe entre vocês alguém que seja sábio e inteligente? Pois então que prove isso pelo seu bom comportamento e pelas suas ações, praticadas com humildade e sabedoria. Mas, se no coração de vocês existe inveja, amargura e egoísmo, então não mintam contra a verdade, gabando-se de serem sábios. Essa espécie de sabedoria não vem do céu; ela é deste mundo, é da nossa natureza humana e é diabólica. Pois, onde há inveja e egoísmo, há também confusão e todo tipo de coisas más. A sabedoria que vem do céu é antes de tudo pura; e é também pacífica, bondosa e amigável. Ela é cheia de misericórdia, produz uma colheita de boas ações, não trata os outros pela sua aparência e é livre de fingimento. Pois a bondade é a colheita produzida pelas sementes que foram plantadas pelos que trabalham em favor da paz” (Tg 3.13-18).
         Há muitas pessoas sábias sem ter sequer um ano de escolaridade! “...Destruirei a sabedoria dos sábios e acabarei com o conhecimento dos instruídos.” Então, o que poderão dizer os sábios e os instruídos? O que vão dizer os grandes oradores deste mundo? Deus tem mostrado que a sabedoria deste mundo é loucura. Pois Deus, na sua sabedoria, não deixou que os seres humanos o conhecessem por meio da sabedoria deles. Pelo contrário, resolveu salvar aqueles que crêem e fez isso por meio da mensagem que anunciamos, a qual é chamada de “louca (1Co 1.18-21).
         Certa vez alguém disse, baseando-se em Romanos 1.27, que o homem que é verdadeiramente sábio é aquele que descobre que, sem Cristo, é um tolo... O homem mais sábio é aquele que, abandona a si mesmo e se curva perante o Senhor.
         Infelizmente, por causa da glória pessoal, as pessoas estão vivendo dentro e fora da igreja uma verdadeira guerra e contendas e se julgam sábios.
         A próxima vez em que alguém lhe perguntar: Quem você considera sábio ou inteligente? Que a sua resposta seja: EU. Sim, eu sou sábio e inteligente, pois, a cada novo dia busco o perdão no meu Senhor Jesus. Amém!


M.S.T. Rev. Edson Ronaldo Tressmann

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Uma palavra para o cristão!

13/09/2015
16º Domingo após Pentecostes
Salmo 116.1-9; Isaías 50.4-10; Tiago 3.1-12; Marcos 9.14-29
Tema: Uma palavra para o cristão!

         Parece haver uma grande diferença entre o cristão descrito no sermão do pastor daquele que está sentado no banco na igreja ouvindo o sermão. É claro que essa diferença é visível, justamente, por que o pastor quer despertar as pessoas da sonolência e alertá-los contra a auto ilusão. Mas, francamente falando, esse não pode ser o último objetivo do pastor com seus sermões. E justamente, por não ser esse o último objetivo do pastor com seu sermão, o mesmo não precisa trazer a mente dos ouvintes as ultimas noticias noticiadas pelos telejornais ou algo semelhante.
        No desejo de alertar os cristão ou de acordar de sua sonolência, textos como o de Tiago são bem propícios. O apóstolo Tiago escreveu: “Meus irmãos, somente poucos de vocês deveriam se tornar mestres na Igreja, pois vocês sabem que nós, os que ensinamos, seremos julgados com mais rigor do que os outros. Todos nós sempre cometemos erros. Quem não comete nenhum erro no que diz é uma pessoa madura, capaz de controlar todo o seu corpo. Até na boca dos cavalos colocamos um freio para que nos obedeçam e assim fazemos com que vão aonde queremos. Pensem no navio: grande como é, empurrado por ventos fortes, ele é guiado por um pequeno leme e vai aonde o piloto quer. É isto o que acontece com a língua: mesmo pequena, ela se gaba de grandes coisas. Vejam como uma grande floresta pode ser incendiada por uma pequena chama! A língua é um fogo. Ela é um mundo de maldade, ocupa o seu lugar no nosso corpo e espalha o mal em todo o nosso ser. Com o fogo que vem do próprio inferno, ela põe toda a nossa vida em chamas. O ser humano é capaz de dominar todas as criaturas e tem dominado os animais selvagens, os pássaros, os animais que se arrastam pelo chão e os peixes. Mas ninguém ainda foi capaz de dominar a língua. Ela é má, cheia de veneno mortal, e ninguém a pode controlar. Usamos a língua tanto para agradecer ao Senhor e Pai como para amaldiçoar as pessoas, que foram criadas parecidas com Deus. Da mesma boca saem palavras tanto de agradecimento como de maldição. Meus irmãos, isso não deve ser assim. Por acaso pode a mesma fonte jorrar água doce e água amarga? Meus irmãos, por acaso pode uma figueira dar azeitonas ou um pé de uva dar figos? Assim, também, uma fonte de água salgada não pode dar água doce” (Tg 3.1-12).
         Esse texto aterroriza o cristão, afinal, o mesmo fala sobre controlar a língua. Você consegue controlar a sua língua? Sinceramente, eu não consigo!
         Se o último objetivo do sermão for despertar as pessoas da sonolência o texto de Tg 3.1-12 é uma boa pedida. Mas, sinceramente, como pregador da Palavra de Deus, é preciso mostrar, escrever e provar a todos que o último objetivo do sermão é fazer que os cristãos do sermão escrito e falado seja o mesmo dos sentados nos bancos, ou seja, que tenham certeza de que seus pecados estão perdoados diante de Deus. É necessário que cada congregado ao se levantar do banco da igreja vá para sua casa cheio de esperança da vida eterna.  
         O apóstolo Tiago diz que “Todos nós sempre cometemos erros” (Tg 3.2). Não há um cristão sequer sem pecado! O cristão é um ser humano dividido. Mesmo que busque fazer o bem, frequentemente não atinge seu alvo (Rm 7.18). Claro que é preciso recordar que mesmo que o cristão não consiga fazer o bem, o querer fazer o bem é a sua principal característica, pois, “Assim, também a fé, se não tiver obras, por si só está morta” (Tg 2.17).
         Ao dizer “Todos nós sempre cometemos erros” (Tg 3.2), o apóstolo Tiago anuncia que não existe homem perfeito. Mulheres, não o procurem, ele não existe. Todo ser humano é fraco e pecador.
         Se o pastor quiser acordar da sonolência os seus ouvintes, é preciso que pregue a verdade. Mas infelizmente a tendência desastrosa de muitos pregadores é pintar o cristão como alguém perfeito. Não existe ser humano perfeito, por mais fé que tenha.  
         Convivemos com pessoas que visam dar um show de santidade. Evitam alguns tipos de conversa, erguem constantemente os olhos para o céu, recitam trechos da Escritura, leem a Bíblia nos momentos de lazer para impressionar. Lembre-se: Todos nós sempre cometemos erros” (Tg 3.2). Sim, e diferentemente dos shows de santidade transmitidos pelas mais variadas pessoas, existem cristãos apegadas ao seu Salvador Jesus, mas não são capazes de falar muito a respeito de sua fé.
         Ao constatar que Todos nós sempre cometemos erros” (Tg 3.2), o apóstolo Tiago assim como ensinou Jesus, diz que apesar do Espírito Santo estar presente e, operar nos crentes e os tornar dispostos, ainda assim a carne, por outro lado, também está presente, e a carne sempre é fraca. O diabo, sempre tenta, quer seja, por meio de tribulações e tentações, fazer com que escorreguemos e caiamos por causa da fraqueza da carne. Justamente por causa dessa fraqueza da carne é que todos precisam ser constantemente advertidos, pois “...a carne milita contra o Espírito, ...” (Gl 5.17). Amém!



M.S.T. Rev. Edson Ronaldo Tressmann

Dormindo tranquilo enquanto tudo parece desmoronar!

  18 de abril de 2021 Salmo 4; Atos 3.11-21; 1João 3.1-7; Lucas 24.36-49 Texto: Salmo 4 Tema: Dormindo tranquilo enquanto tudo parece...