segunda-feira, 28 de maio de 2012

IELB - 108 anos comunicando a Vida - Parte 1




03/06/12 – Domingo da Santíssima Trindade

 

Sl 29; Is 6. 1 - 8; At 2. 14ª, 22 - 36; Jo 3. 1 - 17

 

 

Tema do mês:

IELB a 108 anos comunicando a Vida no Brasil

 

 

 

 

Tema: Vida comunicada desde os apóstolos 

     

 

          Nesse culto eu vou fazer uso do sermão de outro pregador.

            Ouçamos as breves palavras desse pregador:

           

            Homens de Israel, escutem o que eu vou dizer. Deus mostrou a vocês que Jesus de Nazaré era um homem aprovado por ele. Pois, por meio de Jesus, Deus fez milagres, maravilhas e coisas extraordinárias no meio de vocês, como vocês sabem muito bem. Deus, por sua própria vontade e sabedoria, já havia resolvido que Jesus seria entregue nas mãos de vocês. E vocês mesmos o mataram por mãos de homens maus, que o crucificaram. Mas Deus ressuscitou Jesus, livrando-o do poder da morte, porque não era possível que a morte o dominasse. Pois Davi disse a respeito de Jesus o seguinte: “Eu via sempre o Senhor comigo porque ele está ao meu lado direito, para que nada me deixe abalado. Por isso o meu coração está feliz, e as minhas palavras são palavras de alegria; e eu, um ser mortal, vou descansar cheio de esperança, pois tu, Senhor, não me abandonarás no mundo dos mortos. Eu tenho te servido fielmente, e por isso não deixarás que eu apodreça na sepultura. Tu me tens ensinado os caminhos que levam à vida, e a tua presença me encherá de alegria.” E Pedro disse mais isto: — Meus irmãos, eu preciso falar claramente com vocês a respeito do patriarca Davi. Esse grande líder morreu e foi sepultado, e o seu túmulo se encontra aqui até hoje. Ele era profeta e sabia que Deus lhe havia jurado que um dos seus descendentes seria rei, como ele. Davi sabia o que Deus ia fazer e por isso falou a respeito da ressurreição do Messias. Davi disse: “Ele não foi abandonado no mundo dos mortos, nem o seu corpo apodreceu na sepultura.” Deus ressuscitou este Jesus, e todos nós somos testemunhas disso. Pois Jesus foi levado para sentar-se ao lado direito de Deus, o seu Pai, o qual lhe deu o Espírito Santo, como havia prometido. E Jesus derramou sobre nós esse Espírito, conforme vocês estão vendo e ouvindo agora. Pois Davi não subiu para o céu, mas ele mesmo afirmou: “O Senhor Deus disse ao meu Senhor: ‘Sente-se do meu lado direito, até que eu ponha os seus inimigos como estrado debaixo dos seus pés.’ Todo o povo de Israel deve ficar bem certo de que este Jesus que vocês crucificaram é aquele que Deus tornou Senhor e Messias. Amém!

           

           Que sermão surpreendente!

           Quem é o pastor que pregou esse sermão? Pedro.

           Qual texto? Salmo 16. 8 – 11 e 110

           Qual propósito de Pedro com esse sermão? Vejamos abaixo.

           

           O sermão foi proferido por Pedro, é uma resposta a zombaria dos fariseus, escribas e lideres do povo.

 

            Esses conheciam muito bem as passagens das Escrituras Sagradas. E ao citar o Salmo 110, Pedro os está lembrando que a promessa não apontava para Davi, mas sim para Jesus.

 

            A citação do Salmo 110 é interessante nesse relato. O mesmo é citado diversas vezes no novo testamento. O próprio Jesus o citou alguns meses antes de ser preso e crucificado. E porque Jesus fez uso desse salmo?

 

            O que levou Jesus a citar esse salmo, é que o mesmo era considerado como um salmo messiânico pelos judeus. E já que os escribas e fariseus não queriam aceitar Jesus como o Messias, Jesus os confundiu perguntando: “Que pensais vós do Cristo? De quem é Filho? Responderam eles: de Davi. Replicou-lhe Jesus: Como, pois, Davi, pelo Espírito, chama-lhe Senhor, dizendo (Sl 110) Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés? Se Davi, pois, lhe chama Senhor, como ele é seu filho?” (Mt 22. 42 – 45). E o texto diz ainda que depois desse episódio ninguém podia mais responder e nem sequer fazer perguntas a Jesus.

 

            Por ocasião dessa argumentação bíblica de Jesus, Pedro estava junto. E agora, Pedro está lembrando aos seus ouvintes, escribas, fariseus e lideres do povo a velha tradição de que segundo eles o Messias iria assentar-se à direita, e Abraão à esquerda de Jeová.

 

            Interessante que Lucas depois de escrever o evangelho, e agora ao escrever o livro de Atos, inspirado pelo Espírito Santo, que para a palavra “Senhor” faz uso da palavra “Jeová”, que significa o Deus da aliança, e a palavra “Adonai”, que significa Senhor Salvador.

 

            Então o versículo 34 e 35 nos transmitem a seguinte mensagem: “Disse o Senhor Jeová, o Deus verdadeiro, o Deus da aliança, ao meu Senhor e Salvador: Assenta-te a minha direita...

 

            Lembramos aqui as palavras do Credo Apostólico: “E em Jesus Cristo, seu único Filho nosso Senhor, o qual foi concebido pelo Espírito Santo, ... subiu aos céus e está sentado a direita de Deus Pai todo poderoso ...

 

            Tanto Jesus, como o próprio apóstolo Pedro confirmou Jesus como Senhor e Salvador. Como aquele que venceu os inimigos, a morte, o pecado e o diabo. E convicto de que Jesus é o cumprimento das profecias do Salmo 110 e de todo o antigo testamento Pedro termina seu belíssimo sermão dizendo: “Todo o povo de Israel deve ficar bem certo de que este Jesus que vocês crucificaram é aquele que Deus tornou Senhor e Messias. Amém!” (At 2. 36)

 

            Essa noticia é surpreendente e fascinante para todos os que crêem, mas aqueles que não crêem é assustadora. É lei e evangelho num só versículo. É a palavra de Deus querendo acordar os que duvidam da vitória de Jesus, e é a mesma palavra de Deus querendo confortar os que crêem, para que os mesmos saibam e reconheçam que Jesus, aquele nascido na manjedoura em Belém, humilhado por ocasião de sua prisão e crucificação é o Senhor e Doador da vida.

 

            Diante dos altos representantes da “casa de Israel” Pedro anuncia que as Escrituras Sagradas foram cumpridas, as promessas feitas foram realizadas em Jesus, ele é nosso Senhor e Salvador.

 

            Enquanto que os representantes, aqueles que conheciam as Escrituras crucificaram Jesus, o Deus da aliança, por meio dessa catástrofe, o tornou nosso Senhor e Salvador.

 

            A verdadeira mensagem das Escrituras Sagradas precisa continuar sendo comunicada. A mensagem bíblica quer simplesmente nos conduzir a Jesus como nosso Senhor e Salvador. Essa mensagem por mais simples que seja, é uma mensagem urgente. Muitos ainda não a conhecem, pois assim como na época dos apóstolos, muitos outros Messias eram anunciados, e o verdadeiro abandonado e desprezado. É necessário que assim como o próprio Jesus, como Pedro e os outros apóstolos continuemos a falar com coragem que em Jesus as Escrituras Sagradas foram cumpridas.

 

            Jesus é o nosso Senhor e SalvadorQue esse continue sendo o conteúdo, o assunto principal de nossas mensagens e estudos bíblicos nos próximos anos, sejam quantos forem, na nossa querida IELB. Pois assim como valorizou essa mensagem nesses 108 anos em terras brasileiras, que assim seja até o dia em que o dono dessa Igreja, Jesus, voltar. Amém!



Pr Edson Ronaldo Tressmann

Abaixo segue a proposta das mensagens distribuidas nesse mês de junho.

A IGREJA COMUNICA A VIDA

Fundamentando (Jesus a Rocha Firme)

O Senhor é a minha rocha poderosa e o meu abrigo” (Sl 62.7)

                                          JUNHO de 2012

Tema do mês: IELB: 108 anos comunicando a Vida no Brasil


03/06/12 – Domingo da Santíssima Trindade
Sl 29; Is 6. 1 - 8; At 2. 14ª, 22 - 36; Jo 3. 1 - 17
Tema: Vida comunicada desde os apóstolos

Destaque: O sermão é do apostolo Pedro que comunicou a vitória da vida sobre a morte aos inimigos de Jesus. Ele fez uso do Salmo 16 e 110. Queremos descobrir o rico conteúdo, em especial do salmo 110, e como Pedro o aplicou no dia de Pentecostes.


10/06/12 – 2º Domingo após Pentecostes
Sl 130; Gn 3. 8 - 15; 2Co 4. 13 – 5.1; Mc 3. 20 - 35
Tema: Vida no perdão que leva a Santificação

Destaque: Em primeiro lugar vem o consolo de Deus. E tendo recebido o consolo de Deus pelo conhecimento do caminho da salvação, recebemos a justiça de Deus pela fé em Jesus. Depois de obtermos isso vem a santificação. Antes da santificação eu preciso saber que Deus lançou meus pecados no fundo do mar.


17/06/12 – 3º Domingo após Pentecostes
Sl 1; Ez 17. 22 - 24; 2Co 5. 1 - 10; Mc 4. 26 - 34
Tema: Vida consolada na certeza das promessas e não escrava dos números.

Destaque: Planejamos ser uma igreja com 300 mil membros até o ano de 2010. No entanto, essa meta não foi atingida. Restringimos os mesmos números a 275 mil até 2014.  O que aconteceu? Porque recuamos desse plano inicial? Não poderíamos ter permanecido a meta inicial, ou até nos desafiado a sermos muito mais? Questões difíceis de serem respondidas.
            Eu sei da importância do planejamento, pois a própria palavra de Deus nos mostra a importância e necessidade do mesmo. Agora, se existe algo na igreja que eu não posso dizer que será exatamente como eu planejei é o numero. O numero é uma estimativa. Por isso, Caro irmão e irmã no Senhor: Infelizmente os números estão desanimando as pessoas, sejam eles lideres leigo ou eclesiástico. Se estamos numa igreja pequena saímos a caça as bruxas. Deve –se ter um culpado. Os números que muitas vezes desanimam, destroem e fazem enormes estragos, ao mesmo tempo animam e motivam. Mas acima, dos números, são as promessas de Jesus quanto a sua igreja que verdadeiramente nos fazem persistir, continuar e aceitar quando a meta estabelecida não foi alcançada.


24/06/12 – 4º Domingo após Pentecostes
Sl 124; Jó 38. 1 - 11; 2Co 6. 1 - 13; Mc 4. 35 - 41
Tema: Vida de uma história fundamentada na Biblioteca divina

Destaque  Numa biblioteca conseguimos muitas histórias. Histórias importantes. Histórias que nos ensinam. Como IELB, fazemos parte dessa biblioteca, afinal, 108 anos já nos dão critérios para sermos uma história que ensina. E falando em história, temos a nossa história registrada em dois belos livros, cujo titulo é: Grão de Mostarda, Volumes I e II. Os mais variados relatos históricos só contêm um rico ensino por estarem fundamentadas na biblioteca divina – a Bíblia. A IELB em 108 anos oficialmente em terras brasileiras, tem se ocupado da comunicação da Vida através da correta proclamação da palavra de Deus.

Pr Edson Ronaldo Tressmann 

terça-feira, 22 de maio de 2012

Pelo Poder do Espírito Santo

27/05/12 – Domingo de Pentecostes
Sl 139. 1 – 12; Ez 37. 1 – 14 ou Jl 2. 28 – 32; At 2. 1 – 21; Jo 15. 26 - 27
Tema mensal: Desejo de mãe é a vontade do Pai: Uma só Família, um só Espírito.

Tema do Culto: Pelo Poder do Espírito Santo


         Quantas vezes diante daquela comida saborosa que só a mãe sabe fazer ao nos deliciarmos “ficamos satisfeitos.” E satisfeitos, empurramos o prato de lado e saímos, afinal, os amigos esperam, o dia é curto e eu preciso aproveitá-lo. Nem sequer fomos capazes de reconhecer com um “muito obrigado” ou “que delicia, amei.
Essa mesma situação pode ser dito com respeito ao Espírito Santo. No Batismo, pela pregação da Palavra, ele nos enche dele mesmo, ou seja, o Espírito Santo nos deixa cheios do Espírito Santo e assim ficamos como que se diz “satisfeitos na fé”. Infelizmente, assim como a comida saborosa de nossa mãe não é reconhecida, muitos não reconhecem a obra maravilhosa do Espírito Santo. E como falta desse reconhecimento, a pior coisa que já tenho ouvido nesse pouco tempo de ministério é: “Somos uma igreja fria.E o que é uma igreja quente? Cantar alto no microfone, orar a ponto de nos fazer chorar, falar de uma forma estranha onde nem quem fala entende, etc. Se perdeu de vista, ou deixaram de reconhecer a grande obra do Espírito Santo, nos conduzir a Jesus Cristo o salvador de nossas vidas, conforme João 16.13-14: “quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não faltará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que há de vir. Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar”.
Se há reconhecimento da importância da obra de Jesus Cristo, isto é obra do Espírito Santo, pois “Ele me chamou pelo evangelho, me fez crer...”. Ser conduzido e estar em e com Cristo é poder do Espírito Santo.
O Espírito Santo nos gerou a FÉ (pelo batismo, ou pelo ouvir da Palavra), Fortalece e nos Mantêm na FÉ (pela pregação da Palavra e Sacramento do altar).
A vida de muitos filhos retrata a vida diante de Deus. A mãe amamenta, cuida e protege a maior parte do tempo e mesmo assim é abandonada. O mesmo se dá na nossa vida com Deus. Deixamos de lado a nossa a comunhão com Deus e com os irmãos. Afinal, cresci, sou dono do meu nariz, etc. E julgando-se crescidos, desprezam os meios pelos quais ele age: Pregação da Palavra; Corpo e o Sangue, dados com e sob o pão e o vinho. E há os pais que desprezam e não valorizam o batismo impedindo que seus filhos sejam batizados.
As pessoas não valorizam a obra do Espírito Santo, desprezando os meios pelos quais ele age. Estamos inseridos numa sociedade onde as pessoas estão se enchendo de ódio, mágoas, egoísmo, individualismo, preconceito, etc. A obra do Espírito Santo é fundamental nesse meio, pois os seus frutos são, amor, alegria, paz, paciência, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio (Gl 5.22). Tudo é pelo poder do Espírito Santo.
Se a igreja é fria, de quem é a falha? A suposta igreja quente é aquela que está firmada em suas realizações. No entanto, de acordo com a Palavra de Deus, uma igreja quente é aquela que valoriza os meios pelos quais Deus faz para atrair pessoas a Ele e permanece as mesmas nEle. Quais são? São os meios da graça, Palavra, Batismo e Santa Ceia.
Deus nos enviou o Espírito Santo para que através dos meios da graça opere a maravilhosa graça: perdão, vida e salvação. Quem despreza esses meios pelos quais Deus nos atrai a Ele, deixa de fazer parte de uma igreja verdadeiramente quente. Estará você está entre esses? Espero que não. Aliás, eu sinto o calor dessa igreja, uma igreja que está agarrada nos meios pelos quais Deus opera bênçãos maravilhosas em e por nós. Essa igreja está diante de mim. E essa igreja só precisa permanecer aquecida pelo fogo do Espírito Santo. A igreja, não é fria, pois o Espírito Santo está nela e age nela.
Somos uma igreja quente, mesmo com nossos sermões sonolentos, mesmo com uma liturgia tradicional. É quente porque o poder está naquile que age dentro da igreja e na igreja, o Espírito Santo, através da PALAVRA e SACRAMENTOS.
Estamos cheios do Espírito Santo e isso nos faz queimar para o mundo em amor. O Espírito Santo está em nós, pois a cada culto, Cristo é proclamado.
Já temos e fazemos parte de uma igreja quente e podemos afirmar que estamos cheios do Espírito Santo, pois pelo poder do Espírito Santo cremos nessa mensagem que é loucura para o home moderno.
Reconhecendo a presença constante do Espírito Santo em nós podemos soltar a voz e dizer, principalmente àqueles que nos acusam de sermos frios, que somos filhos de Deus e estamos cheios do Espírito Santo e assim somos uma igreja pegando fogo.
Jesus disse: “mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas...” No texto de Atos 2. 1 – 21 temos a manifestação do poder e da força do Espírito Santo - Ele capacita ao testemunho.
Muitas vezes somos inibidos por nossa timidez, pela vergonha, pela falta de palavras. Nesse ponto, é importante observarmos o relato de Lucas em Atos. Ele nos apresenta simples pescadores que pelo poder do Espírito Santo estão testemunhando, falando a respeito de Jesus. Ah, mas eles ficaram 3 anos ao lado de Jesus! Mas, quantos de nós somos cristãos a mais de 3 anos?
O Espírito Santo enriquece a igreja com dons. Assim explica Lutero no terceiro artigo: “Mas o Espírito Santo me chamou pelo evangelho, iluminou com seus dons,...” O Espírito Santo nos enche de dons, e não para nossa glória pessoal, mas para levarmos Cristo a outros.
Eu e você “estamos cheios do Espírito para encher a outros.” Encher daquilo que nós estamos cheios, como disse Jesus: “falamos daquilo que está cheio o nosso coração...” O Espírito Santo nos conduz à Cristo e o Espírito Santo do qual nós estamos cheios quer nos usar como instrumentos para conduzir milhares a Cristo.
Cabe-nos uma pergunta: Para que estamos usando nossos dons? Orgulho, partidarismo, causar inveja no outro, engrandecimento, etc. Se for assim, pra você a igreja sempre continuará fria, e com certeza irá procurar uma dessas igrejas ditas quentes, pois para eles e você o importante é você ser o centro. Temos diante de nós um bando de pessoas satisfeitas com aquilo que o Espírito Santo fez na vida delas e agora pretendem a todo o custo mostrar que o poder esta nelas. Ao contrário desse pensamento, Paulo disse: “...quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus” (1Co 10.31).
O objetivo de Deus ao nos enriquecer e equipar com dons na é para simplesmente nos satisfazer, mas é para sua glória e honra. É para atrair outros a fé salvadora, assim como nós fomos atraídos. Somos abençoados com a presença do Espírito Santo para erguermos a nossa voz. E que essa voz erguida possa ser ouvida por muitos e assim muitos serem alcançados e receberem aquilo que Deus em Cristo nos dá: vida, perdão e a conseqüente salvação.
Amém!
Pr. Edson Ronaldo Tressmann

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Oração de Jesus - uma só familia, um só Espírito.

20/05/12 – 7º Domingo de Páscoa
Sl 1; At 1. 12 – 26; 1Jo 5. 9 – 15; Jo 17. 11 - 19
tema mensal: Desejo de mãe é a vontade do Pai: Uma só Família, um só Espírito

Texto de João 17. 11 - 19 (ARA)

17.11 Já não estou no mundo, mas eles continuam no mundo, ao passo que eu vou para junto de ti. Pai santo, guarda-os em teu nome, que me deste, para que eles sejam um, assim como nós. 17.12 Quando eu estava com eles, guardava-os no teu nome, que me deste, e protegi-os, e nenhum deles se perdeu, exceto o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura. 17.13 Mas, agora, vou para junto de ti e isto falo no mundo para que eles tenham o meu gozo completo em si mesmos. 17.14 Eu lhes tenho dado a tua palavra, e o mundo os odiou, porque eles não são do mundo, como também eu não sou. 17.15 Não peço que os tires do mundo, e sim que os guardes do mal. 17.16 Eles não são do mundo, como também eu não sou. 17.17 Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade. 17.18 Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo. 17.19 E a favor deles eu me santifico a mim mesmo, para que eles também sejam santificados na verdade.


Oração de Jesus - Uma só Família, um só Espírito.


         Há uma música muito famosa que diz: “No dia em que eu saí de casa minha mãe me disse: Filho, vem cá! ... A minha mãe naquele dia me falou do mundo como ele é parece que ela conhecia cada pedra que eu iria por o pé” (Zezé di Camargo e Luciano)

         Realmente parece que nossa mãe conhece mais do mundo do que nós pensamos. Dificilmente alguém ao sair de casa não tenha ouvido palavras semelhantes.
         Em nosso texto Jesus, criador do mundo, conhecedor do mundo, aquele que veio para vencer o príncipe desse mundo, por saber as pedras que teríamos para ultrapassar faz uma bela oração. Ele ora por nós, pela sua igreja.
         Nessa oração Jesus pede para o Pai que nos mantenha numa unidade.
         Qual é a importância da unidade? A importância nos é apresentado pelo próprio Jesus ao dizer que um reino dividido não subsiste. Como igreja cristã, estamos vivendo essa unidade? A primeira parte da resposta é o que respondemos na questão: o que é igreja cristã?
         De acordo com o apostolo João, muitos elementos estranhos estavam e continuam entrando na igreja. É inconcebível que elementos pagãos estejam ocupando o lugar daquilo que é sagrado e instituído por Deus. Substituiu a santa ceia pelo copo benzido de água. Substituiu o batismo por rituais de purificação, etc, etc, etc, ...
         Igreja cristã é aquilo que confessamos no Credo Apostólico: “Creio no Espírito Santo, na santa igreja cristã, a comunhão dos santos,....”, ou seja, igreja cristã é a composição da comunhão daqueles que crêem e confessam Jesus como seu Salvador. Observemos bem! Aqueles que têm Jesus como o salvador de suas vidas e não apenas como aquele que transformou suas vidas, de um fusquinha para uma Ferrari.
         A igreja cristã é descrita de uma forma belíssima por Paulo na sua carta aos cristãos da Ásia Menor: “Já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus; edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular; no qual todo edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito” (Ef 2.19-22).
         Tendo respondido a primeira parte da questão, podemos iniciar nossa resposta a pergunta: Há unidade na igreja cristã?
         Nós não somos capazes de sondar o coração das pessoas para ver se elas crêem. Mas, sabemos pela Escritura, que o Espírito Santo chama, congrega e conserva uma comunhão de santos, ou seja, dos que crêem em Jesus. E tudo o que esses cristãos desejam é permanecer no verdadeiro fundamento. E é esse o conteúdo da oração de Jesus. Ele deseja e pede ao Pai que conserve seus filhos e filhas na verdadeira fé, na verdadeira unidade.
         A questão: Há unidade na igreja? É uma questão que precisa ser bem respondida para que não gere inquietações nas pessoas. Então darei exemplos bíblicos. Deixemos o próprio Deus falar sobre a unidade na igreja.     
         O apostolo Paulo ao escrever sua carta aos Romanos disse: “Porque assim como num só corpo temos muitos membros, mas nem todos os membros têm a mesma função, assim também nós, conquanto muitos, somos um só corpo em Cristo  membros uns dos outros, tendo, porém, diferentes dons segundo a graça  que nos foi dada: se profecia, seja segundo a proporção da fé; se ministério, dediquemo-nos ao ministério; ou o que ensina esmere-se no fazê-lo; ou o que exorta faça-o com dedicação; o que contribui, com liberalidade; o que preside, com diligência; quem exerce misericórdia, com alegria” (Rm 12. 4 – 8).
         Como igreja, somos um corpo – e a exemplo do corpo, possuímos muitos membros. Essa diversidade é importante para o corpo que é a igreja. Portanto, o corpo da igreja, que são os membros, são pecadores e como pecadores acabam fazendo com que a diversidade gere divisão. Na sua carta aos coríntios, Paulo instrui sobre os vários dons que o único corpo (unidade na fé) possui. No entanto, essa unidade de cristãos é composta por pecadores e por causa da natureza pecaminosa acabaram gerando divisão. As palavras: “Não podem os olhos dizer à mão: Não precisamos de ti; nem ainda a cabeça, aos pés: Não preciso de vós” (1Co 12.21).
         O ensino é simples e direto. A diversidade concedida por Deus é para edificação do corpo da sua noiva que é a igreja. Infelizmente nosso inimigo, o diabo usa a diversidade para dividir e estragar a noiva de Cristo. Deus nos une na mesma fé, pois “há somente um corpo e um Espírito, como também fostes chamados numa só esperança da vossa vocação; há um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos e está em todos” (Ef 4.4-6). Nessa mesma fé, nesse mesmo corpo, a diversidade não é sinal de desigualdade, pois “...Contudo, Deus coordenou o corpo, concedendo muito mais honra àquilo que menos tinha, para que não haja divisão no corpo; pelo contrário, cooperem os membros, com igual cuidado, em favor uns dos outros” (1Co 12.24b – 25). Então quando perguntamos, Há unidade na igreja? Precisamos ter clareza que a diversidade que há no corpo da igreja não é para desunião, mas para enriquecimento mútuo.
         Agora, olhando para o próprio da questão que é a unidade, daremos o seguinte exemplo. Partindo do texto de Efésios citado anteriormente que diz: “...edificados sobre o mesmo fundamento dos apóstolos e profetas...” (Ef 2.19). O que seria esse fundamento? Não só Jesus, mas também todo o corpo doutrinário o qual Jesus nos deixou                  
         Partindo desse exemplo podemos dizer que não há unidade na igreja cristã, quando alguém de dentro do corpo está na contramão daquilo que Jesus ensinou e está expresso na sua palavra bem como em todo o corpo doutrinário da igreja cristã. A doutrina cristã reflete passagens Bíblicas.
         Mas, pastor, há tantos corpos doutrinários, como posso saber onde encontrar a verdadeira igreja cristã? O apostolo Paulo responde: “Ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto, o qual é Jesus Cristo” (1Co 3.11). Só encontramos a verdadeira igreja cristã, onde se acha e faz uso do evangelho de Jesus Cristo, pois o testemunho de Deus é claro, “Aquele que crê no Filho de Deus tem, em si, o testemunho. ... E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está no seu Filho. Aquele que tem o Filho tem a vida; aquele que não tem o Filho de Deus não tem a vida” (1Jo 5. 10a, 11 – 12). Há muitos que infelizmente se afastaram do verdadeiro evangelho de Jesus, e assim, a resposta é que não há unidade com os mesmos.
            Questionamentos são importantes e fazem parte da vida da igreja, agora se há prática contraria a palavra de Deus, nesse caso não há unidade.
         Jesus ora pela Unidade da Igreja – Deus deseja e mantém a unidade na Igreja Cristã. A unidade dada pelo evangelho é importante que seja mantida, por isso, Paulo nos faz uma convocação: “esforçando-vos diligentemente por preservar a unidade do Espírito no vinculo da paz” (Ef 4.6)., também Judas: “... exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos” (Jd 3c).
         É necessária a unidade no evangelho, pois pelo evangelho o Espírito Santo nos chama, congrega e ilumina com dons. E pelo poder do Espírito Santo que age pelos meios da Graça: Pregação, Batismo e Santa Ceia, que precisamos nos firmar e defender com unhas e dentes. Quem desses meios se afasta não faz parte da unidade da igreja cristã.
         Jesus nos compreende. E por compreender as nossas fraquezas e limitações pediu pela unidade do seu corpo. E dessa belíssima oração podemos tirar o nosso pedido. Oremos e batalhemos pela unidade do evangelho na igreja cristã.
         Deus nos abençoe, amém!
Pr Edson Ronaldo Tressmann
cristo_para_todos@hotmail.com

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Enquanto Jesus nos prepara quartos nos deixou uma tarefa


17/05/12 – Ascenção do Senhor
Sl 47; At 1. 1 – 11; Ef 1. 15 – 23; Lc 24. 44 - 53
Desejo de uma mãe é a vontade do Pai: Uma só Família, um só Espírito.

Tema: Enquanto Jesus nos prepara quartos nos deixou uma tarefa.

Destaque: Jesus deixou uma tarefa muito importante para a sua igreja: agir em todos os cantos da terra. E para realizar essa tarefa prometeu o auxiliador. E pelo Espírito Santo que age pelo evangelho, “ilumina os nossos olhos e assim sabemos qual é a esperança de nosso chamado” (Ef 1.18)


            É comum ouvirmos as mães dizerem: “Enquanto eu arrumo o quarto e a cama, faça isso ...”.
            Hoje é o dia em que lembramos a ascensão de Jesus. Um dia para se lembrar as palavras de Jesus, idênticas a de nossa mãe: “enquanto eu vou arrumar os quartos, vocês fiquem e façam isso...”.
            Ele foi nos preparar lugar. Dizemos às crianças que Jesus ainda não veio, pois está fazendo um lindo quarto para ela. Agora, enquanto Jesus está arrumando os quartos, nós, seus discípulos temos uma tarefa a ser realizada – Qual?
            Ser testemunha de Jesus.
            Uma pergunta: é fácil ser testemunha de Jesus? Não.
            Os questionamentos continuam os mesmos daquela época em que Jesus estava subindo aos céus: “... Senhor, será este o tempo em que restaures o reino a Israel?” (At 1.6).
            Em meio aos questionamentos e a busca por respostas satisfatórias, novas seitas vão surgindo e novas e velhas pessoas são enganadas. Se há busca por respostas, há os que a dizem ter e as oferecem e assim deixam milhares inquietos. Uma dessas respostas está deixando muitos de “cabelos em pé”, é a resposta de que o fim será dia 12/12/12.
            Engraçado que se crê na criatura e se esquece do criador que ao enviar seu filho transmitiu a certeza de que ninguém sabe nem o dia, nem a hora em que o filho voltará. Diante da pergunta quando seria a instauração do reino de Israel, a respondeu de Jesus: “...Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade” (At 1.7). E essa resposta, continua sendo válida para nós.
            E se Jesus não voltou e nem sabemos quando será isso, nossa tarefa continua. E enquanto ele não vem, cabe-nos continuar na realização da missão de Deus. Observem bem, missão de Deus. E o testemunho é justamente para realizar a missão de Deus. O testemunho é para salvar o mundo incrédulo, que vive cheio de dúvidas e em busca de respostas.
            Qual é o conteúdo do testemunho? Afinal, não sabemos o que transmitir a esse mundo cético em relação às coisas divinas. O conteúdo nos foi dado por Jesus, Lc 24. 46 – 48: Assim está escrito que o Cristo havia de padecer e ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia e que em seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações, começando de Jerusalém. Vós sois testemunhas destas coisas”.
            Por que se requer arrependimento? Não basta a fé? Jesus expõe o motivo, conforme registrado por Mateus: “Mas Jesus, ouvindo, disse: Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes. Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero e não holocaustos; pois não vim chamar justos, e sim pecadores [ao arrependimento]” (MT 9.12 – 13). Jesus deixa claro que a contrição é absolutamente necessária, pois, sem ela, ninguém está em condições de ser levado à fé. Salomão em um de seus provérbios diz: “A alma farta pisa o favo de mel” (Pv 27.7). Onde não tem fome e sede espiritual, também não se aceita o Senhor Jesus. Enquanto o individuo não reconhece que é um pecador miserável, perdido e condenado, ele fará pouco caso do salvador dos pecadores. Pelo martelo da lei a pessoa sente dor, angústia, tormentos, sentimento de estar esmagado. No entanto, não foi a pessoa que produziu e produz isso, pois o verdadeiro arrependimento é produzido apenas por Deus, quando a lei é pregada em todo o seu rigor.
            Preste atenção!
            No momento em que você tem fome e sede da graça de Deus, você está devidamente contrito. E tudo isso é obra de Deus em você para que você diga: o que faço para ser salvo? Eu preciso estar alarmado pelos meus pecados e ansiar pela misericórdia de Deus. O verdadeiro arrependimento é justamente desejar ir a Jesus.
            De onde recebemos forças para ser testemunha de Jesus?mas recebereis  poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, ...” (At 1. 8); e “iluminados os olhos do vosso coração, ...” (Ef 1.18).
            Temos o principal para sermos testemunhas. Temos o Espírito Santo, pois somos batizados. Recebemos o conteúdo do testemunho pela Palavra de Deus. Então, vamos, testemunhemos sobre o nosso salvador. Conduzamos muitas pessoas a Jesus, pois nEle, terão a vida eterna.
            Assim como Jesus subiu aos céus, ele voltará. E ao voltar levará consigo todos os crentes. E para que creiam é necessário que se pregue a mensagem sobre Jesus. E para que essa pregação ocorra, Jesus nos enviou e envia, nos capacita, derramando sobre nós o seu Espírito, e  nos capacita ao testemunho  iluminando os olhos do nosso coração nos dando a verdadeira mensagem do testemunho.

Oremos: “Querido Deus, aprendi pela tua Palavra que sou enviado ao mundo para dar um belo testemunho a respeito de Jesus. Com a tua graça conheço Jesus como meu salvador. E peço a ti bondoso Deus que mantenha meu coração aquecido nesse teu amor para que eu possa falar de Jesus a muitos que me cercam. Em nome de Jesus, Amém!
Pr Edson Ronaldo Tressmann
cristo_para_todos@hotmail.com

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Eis a vitória que vence o mundo: a nossa fé.

13/05/12 – 6º Domingo de Páscoa
Sl 98; At 10. 34 – 48; 1Jo 5. 1 – 8; Jo 15. 9 - 17
Tema mensal:
Desejo de mãe é a vontade do Pai: Uma só Família, um só Espírito.
Tema: Eis a vitória que vence o mundo: a nossa fé.
Destaque:
porque todo o eu é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1Jo 5.4)


Introdução
Acredite, é hora de vencer. Essa força vem de dentro de você. Você pode até tocar o céu, se crer... Acredite, que nenhum de nós, já nasceu com jeito pra super herói. Nossos sonhos a gente é quem constrói. É vencendo os limites, escalando as fortalezas, conquistando o impossível pela fé. Campeão, vencedor, Deus dá asas, faz teu vôo. Campeão, Vencedor, essa fé que ti faz imbatível, demonstre o teu valor. Tantos recordes você pode quebrar. As barreiras você pode ultrapassar E vencer!

         Todas as frases que se cantam aqui são verdadeiras? Há uma mistura e confusão de elementos estranhos.
         - Pastor me desculpe! Acho que  você esteja exagerando.
         - Não é exagero, é a pura e simples verdade.
         Quando se fala em vitória, há uma mistura de elementos. Cria-se um exercito cristão de vitoriosos e de bem com a vida. Para isso, basta querer. E eu, preocupado com muitas pessoas que sofrem, começo a pensar no cristão que se encontra deprimido, doente, quebrado financeiramente.
         É claro que haverá aquele que questionará: - será que não é porque nos falta alguma coisa? Talvez a nossa mensagem seja ultrapassada? Ou estejamos sendo infiéis no dizimo, no jejum, na oração fervorosa. Quem sabe, alguma coisa precisa ser oferecida? Prosperidade? Cura? Dons do Espírito? E muitos na expectativa de responder essas questões e solucionar aparentes problemas, acabam por juntar e ensinar elementos estranhos na igreja.
         Aos cristãos derrotados se oferece alternativas, táticas de jogo, para que se obtenha fácil a vitória. É simples: orar com fervor, jejuar, ser dizimista fiel. A vitória é fácil de ser conquistada, só não a tem quem não quer. Aliás, qual é a dificuldade em orar, jejuar, dar o dizimo? É simples assim! A vitória é sua, basta querer!
A igreja cristã, a comunhão dos crentes, precisa ter cuidado. Cuidado com aquilo que o apostolo João precaveu através da sua epistola, cuidado quanto aos elementos estranhos à fé cristã.

         Acredite, é hora de vencer. Essa força vem de dentro de você. Você pode até tocar o céu, se crer... Acredite, que nenhum de nós Já nasceu com jeito pra super herói. Nossos sonhos a gente é quem constrói. É vencendo os limites, escalando as fortalezas, conquistando o impossível pela fé.
        
A cada dia que passa, eu descubro, através das muitas pregações que ouço e leio que eu não sou um vencedor. A igreja, sim, aquela que se diz “evangélica”, ultimamente, vem batendo incessantemente nesta tecla: se você é crente, é obrigatoriamente um vencedor. E assim, eu me lembro das famílias em crise familiar, crise financeira, doente, deprimida. Famílias cristãs, pessoas fieis à igreja, ofertantes, participantes ativos da santa ceia, mas em contrapartida, sofredores nesse mundo. Como pode? Algo deve estar errado? Talvez falte o jejum e oração fervorosa.
A igreja “evangélica” está surfando na onda do triunfalismo, que diz que os bons cristãos, os autênticos cristãos, são recompensados por Deus e assim ficam ricos e na doença, curados. É um elemento estranho, que muitas vezes não é percebido pelos cristãos que vivem suas vidas diárias, cheios de alegria e tristezas, saúde e doença, altos e baixos. Mas, por desejarem viver ardentemente nesse mundo, desfrutando daquilo que ele oferece, riqueza, para assim consumirem a tudo que tem direito, não querem ouvir as palavras de João: “porque todo o eu é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1Jo 5.4).
Deus por meio do batismo oferece um maravilhoso presente, a Fé. E pelo Batismo nascemos para Deus, nos tornamos filhos de Deus. Por meio da pregação da Palavra, Deus nos oferece o mesmo presente, a fé. É por meio desse presente recebido gratuitamente, sem esforço, sem jejum ou qualquer outra coisa, eu venço o mundo. Sim! Vencer o mundo é reconhecer que não somos desse mundo, apenas estamos no mundo. Somos cidadãos dos céus, lá é a nossa pátria. E aqui estamos apenas de passagem, caminhando rumo a pátria. E nessa caminhada, nós pecadores, estamos sujeitos aos percalços do caminho.
O elemento estranho do triunfalismo quer nos prender a esse mundo, onde jaz o maligno com suas artimanhas. Por isso, aproveito a oportunidade para comunicar a você que está equivocado pelos elementos estranhos que adentraram e adentram na igreja, que os mesmos podem te levar pela onda do oba-oba, onde ser cristão é ser feliz 24 horas, onde ser cristão é ser próspero, ser cristão é estar de bem com a vida a qualquer situação.
O pecado faz parte de você. Você é um pecador. Como pecador necessita da graça de Deus em Jesus. E essa graça é oferecida pelo batismo, Palavra e Santa Ceia.
Você é um pecador. O nosso próximo também é pecador. E pecador habitando em meio a pecadores, sempre irá se defrontar com a violência, com a dor, com o sofrimento e a morte. E daí?
O elemento estranho continuará sendo anunciado e pouco a pouco estará imprimindo em nossa consciência a necessidade de algo como jejum, oferendas ou qualquer outra regra para nos tornar vencedores. Corremos o risco de deixar de lado a vitória que já é nossa, pois o texto diz: “porque todo o eu é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1Jo 5.4). A nossa fé. Fé que só é minha porque a mim foi dada gratuitamente, como presente de Deus.
Não faça por conquistar aquilo que Jesus já conquistou e oferece a cada um de nós. A fé é operada em nós pelo Espírito Santo através do Batismo, da pregação da Palavra e Santa Ceia nos mantém firmes nessa fé que vence o mundo com suas artimanhas e elementos estranhos.
Pelo ensino dos elementos estranhos eu sou um derrotado. Mas do que me importa os olhos do mundo, pois o meu Senhor me diz: “porque todo o eu é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1Jo 5.4).
         Enquanto se tenta criar um exercito de pessoas de bem com a vida. Sem dores. Sem sofrimento. Sem problemas financeiros. Usufruidores das bênçãos do Pai. Eu, pecador, mas mesmo assim um vitorioso, preciso reconhecer que nesse mundo estou sujeito, mesmo como cristão, aos sofrimentos, as dores, mas, pela fé, pelo presente dado por Deus a mim, meus olhos serão enxugados, minhas dores serão aliviadas, no entanto, não aqui e agora, mas eternamente.
         Pela fé eu venço o mundo. Qual mundo? O mundo doente pelo hedonismo, que persegue a felicidade e todo custo.
         ...e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” – É bom saber que eu sou um vencedor pela fé. Pois é justamente com a fé que eu vivo no meio dessa geração de gente estúpida, alienada, egocêntrica e insensível. Com a fé eu sou chamado para lutar contra os elementos estranhos a fé verdadeiramente cristã.
         Enquanto o mundo doente diz:
PARE DE SOFRER, aquele que me garante a vitória diz: ... No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo(Jo 16.33) e porque todo o eu é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1Jo 5.4)
         Enquanto o mundo diz:
Acredite, é hora de vencer. Essa força vem de dentro de você. Você pode até tocar o céu, se crer...Jesus diz: “Pois todos vós sois filhos de Deus mediante a fé em Cristo Jesus; porque todos quantos fostes batizados em Cristo de Cristo vos revestistes” (Gl 3. 26-27) e “porque todo o eu é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé (1Jo 5.4).
         Enquanto o mundo diz:
Se você é realmente filho de Deus, você não pode passar privações, desilusões, ... Jesus diz: “Enxugarei dos seus olhos as lágrimas;
        

A igreja “evangélica” fantasiada de “triunfalista” nos põe falsas armaduras, e nos pinta como um exercito de heróis que vencem os seus piores inimigos, a doença e a pobreza.



         Agora, pela Bíblia tantas vezes eu vejo um outro tipo de super herói a qual o cristão se assemelha muito bem: vejam!

         Mesmo sendo assim, fraco, fora de forma, parecendo um derrotado, na fé em Jesus eu sou mais que vencedor. Vencedor do mundo cego em sua prisão carnal. Temos a força que vence o mundo, a fé. Somos vencedores das armadilhas que querem nos prender e escapamos das ciladas que querem nos armar.
         Eis a vitória que vence o mundo – é voltar ao fundamento que é Jesus. É não ter vergonha da mensagem da cruz de Cristo Jesus.
Essa é a vitória que vence o mundo. O mundo que está perdido no hedonismo, ou seja, que a todo custo busca a felicidade, o mundo que quer ter tudo e dominar a todos. O mundo que explora e mata.
         Se você puder leia Romanos 8. 28 - 39.
         Ainda há outros relatos bíblicos que apresentam cristãos, assim como eu e você. Cristãos derrotados, deprimidos, doentes, fracos, mas que por causa da fé, venceram o mundo. Relembremos Hebreus 11: Abel; Enoque; Noé; Abraão; Sara. Ainda o profeta Isaías que teve seu corpo serrado ao meio; Tiago que foi morto no fio da espada; o apostolo Paulo que foi decapitado; Pedro foi crucificado de cabeça para baixo. Todos esses e muitos outros: “todos estes viveram pela fé, e morreram sem receber o que tinha sido prometido; viram-no de longe e de longe o saudaram, reconhecendo que eram estrangeiros e peregrinos na terra. Os que assim falam mostram que estão buscando uma pátria. Se estivessem pensando naquela de onde saíram, teriam oportunidade de voltar. Em vez disso, esperavam  eles uma pátria melhor, isto é, a pátria celestial. Por essa razão Deus não se envergonha de ser chamado o Deus deles, e lhes preparou uma cidade” (Hb 11. 13 – 16).
         Se você é assim, um cristão que sofre, sente os atropelos da vida, não se inquiete, permaneça firme na fé a qual Deus te deu de presente por meio do batismo, e saiba que Deus, o teu Pai, não te envergonha de você ser o filho dele. E para ser teu seu Pai, te salvou através de seu único filho Jesus, e ainda hoje te traz e conserva na verdadeira e única fé. Eis a vitória que vence o mundo: a nossa fé. Amém!
Pr Edson Ronaldo Tressmann
Querência do Norte, PR.
Mensagem proferida no dia 21 de fevereiro de 2012 no Congresso Distrital dos jovens em Mandaguari, Paraná.

Dormindo tranquilo enquanto tudo parece desmoronar!

  18 de abril de 2021 Salmo 4; Atos 3.11-21; 1João 3.1-7; Lucas 24.36-49 Texto: Salmo 4 Tema: Dormindo tranquilo enquanto tudo parece...