terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Lição do episódio da tentação!

Texto: Mateus 4.1-11
Tema: Lição do episódio da tentação!

O episódio da tentação de Jesus é apresentado por três, dos quatro evangelistas: Mateus (4), Marcos (1) e Lucas (4). No entanto, apenas Mateus e Lucas apresentam três tentações. Transformar pedras em pães (Mt 4.3; Lc 4.3;); atira-te abaixo e os anjos te sustentarão (Mt 4.6; Lc 4.9); e se me adorares, tudo te darei (Mt 4.9; Lc 4.7). Marcos e Lucas, diferentemente de Mateus, destacam que durante os 40 dias Jesus foi tentado.
O registro dessas tentações mostram, para nosso conforto que Jesus foi tentado assim como nós também somos, “...mas sem pecado” (Hb 4.15). Todavia, essa não é a única lição do episódio da tentação de Jesus.
Observe que Jesus foi tentado pelo Diabo com citações bíblicas. O que chama atenção é que Jesus rebate as citações bíblicas do Diabo com trechos de Deuteronômio (Dt 8.3; 6.16; 6.13). Esse livro retrata a promessa do profeta que seria enviado da parte de Deus (Dt 18). Em Deuteronômio, Moisés mostra para a segunda geração de cristãos quem é Deus. Assim, o Diabo, sutilmente diz para Jesus que Deus é amoroso e não deixa que seus filhos morram de fome; Deus é protetor e não deixa que se acidentem e que Deus dá poder e posses a quem o adora. E ante a essas tentações com citações bíblicas, Jesus ao citar o livro de Deuteronômio, está enfatizando que ele é o profeta enviado da parte de Deus.
Nesse episódio da tentação de Jesus, aprendemos que para vencer os ataques do tentador é preciso entender o que de fato e de verdade a Bíblia diz.
Jesus mostra que a Bíblia precisa ser interpretada em seu contexto e nunca ser citada a esmo. Um sermão não é apenas uma serie de citação da Bíblia, mas, a interpretação do texto em si.
Um dos piores ataques do diabo é quando nos ataca com a Bíblia na mão. Por isso, benzimento e outras atividades fazem sucesso, pois, a esmo usam o nome de Deus e até sua Palavra.
O diabo tenta com a Bíblia na mão, e o único jeito de vencê-la é fazer uso correto da Bíblia assim como Jesus fez. Por isso somos exortados a não tomar o nome de Deus em vão. Ou seja, não usar o nome de Deus a ponto de distorcê-lo.
Três tentações: Transformar pedras em pães (Mt 4.3; Lc 4.3;); atira-te abaixo e os anjos te sustentarão (Mt 4.6; Lc 4.9); e se me adorares, tudo te darei (Mt 4.9; Lc 4.7).
Jesus habilmente vence essas tentações citando as palavras de Moisés registradas em Deuteronômio (Dt 8.3; 6.16; 6.13). Não por acaso, Jesus cita o livro que trata da teologia da instrução. Jesus faz isso para que, assim como Moisés, falando para uma segunda geração, destacar quem é Deus. As citações de Jesus destacam a confiança em Deus.
Nesse tempo de quaresma, somos convidados olhar para Deus e para o seu amor e não nas nossas supostas realizações. De outra forma, somos convidados a confiar em Deus, num contexto de desconfiança. Podemos olhar para o convite de confiança diante do questionamento: Como confiar num Deus que permite passar privações e dificuldades? Fome, acidentes, existência de outros deuses.
O povo de Deus, reunido na fronteira da terra prometida, ouve os discursos de Moisés. O povo de Deus ouviu as palavras que Jesus citou ao Diabo quando por ele foi tentado. O povo que ouviu as palavras de Deuteronômio eram da geração dos que haviam falhado no deserto justamente por terem deixado de confiar em Deus nas situações difíceis da caminhada.
Jesus cita Deuteronômio para interpretar as citações bíblicas proferidas pelo Diabo. E nas suas citações e interpretação, Jesus convida a confiar em Deus para não ser derrotado no deserto da tentação. Afinal, é fácil desviar-se de Deus nos períodos de carência de bens, nas tragédias, ainda mais pelo panteão de deuses.
Primeiro domingo da quaresma e Jesus nos convida a confiar em Deus não importa qual seja a circunstância. Amém!
ERT
Edson Ronaldo TREssmann

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Tinha tudo para dar certo!


01 de março de 2020
1º Domingo na Quaresma
Sl 32.1-7; Gn 3.1-21; Rm 5.12-19; Mt 4.1-11
Texto: Gn 3.1-21
Tema: Tinha tudo para dar certo!

Quantas vezes na vida fazemos um plano e destacamos que o mesmo tem tudo para dar certo!
E se ocorre algo que leva o plano ao fracasso, dizemos: mas, tinha tudo para dar certo!
É, mas, algo deu errado. Foi assim no paraíso, tinha tudo para queo plano do diabo desse certo, mas, não deu. Deus não deixou de amar o ser humano, mesmo caindo em pecado.
Vamos ver essa história mais de perto.
O bote da serpente
1 – Disfarce (Gn 3.1)
2 – Dúvida (Gn 3.1)
3 – A Palavra de Deus (Gn 3.1)
4 – Acusação de que Deus é mentiroso (Gn 3.4)
5 – Acusação de que Deus é tirano (Gn 3.5)
6 – O diabo coloca Eva no pedestal
A estratégia da serpente
7 – Eva estava no lugar errado na hora certa (Gn 3.6)
8 – Eva deixou se levar na conversa errada (Gn 3.1,2)
9 – Eva usou a Palavra de Deus erroneamente (Gn 3.2,3)
O efeito do veneno da serpente
10 – vergonha (Gn 3.5,7)
11 – medo de Deus (Gn 3.8-10)
12 – culpa (Gn 3.8)
13 – morte (Gn 3.3)
O antiofídico de Deus
14 – promessa (Gn3.15)
15 – expiação privada de Deus (Gn 3.21)
Tinha tudo para dar certo, mas não deu. O diabo foi derrotado na cruz. Cruz prometida no paraíso. Amém! 

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Vocês fazem bem em prestar atenção na mensagem de Deus!


Texto: 2Pedro 1.16-21
Tema: Vocês fazem bem em prestar atenção na mensagem de Deus!

Muitas são as mensagens recebidas diariamente. Mensagens pelos outdoors, folhetos publicitários, redes sociais, Tv, grupos de wathsapp ...
Pelo hábito de publicar diariamente uma mensagem pelo facebook e youtube, tenho observado que muitas pessoas ignoram algumas mensagens e se prendem a outras.
Mensagens fúteis fazem o maior sucesso. Mensagens que precisam ser ouvidas e receberem a devida atenção passam despercebidas.
Há pessoas que aconselham: - tem que chamar atenção; não pode passar de 15 minutos; tem que ser polêmico; ...
O apostolo Pedro escreveu: “Vocês fazem bem em prestar atenção nessa mensagem” (2Pe 1.19).
Qual mensagem?...na mensagem anunciada pelos profetas” (2Pe 1.19). Por que devo prestar atenção a essa mensagem? a expressão “... mais confiança ...”, é a tradução mais confirmada.
Preste atenção a mensagem profética, pois ela é certa como nunca. É uma mensagem proclamada pelos profetas do AT e confirmada na voz de Deus por ocasião do Batismo e da transfiguração de Cristo.
A voz de Deus por ocasião do evento da transfiguração confirmou a mensagem anunciada por Moisés, Isaías, Jeremias, Habacuque, Oséias, ...
Deem atenção a essa voz e não as lendas e fábulas ou seitas que distorcem o evangelho e ofuscam a glória de Deus em Cristo.
No início da era cristã, quando os apóstolos espalhavam a boa nova de salvação em Jesus, surgiram muitos mitos e fábulas a respeito de Jesus. Esses mitos e fábulas impediam que a glória de Deus fosse vislumbrada em Jesus. Jesus tornou-se muitas coisas e deixou de ser o salvador.
Além dessas fábulas, havia também seitas gnósticas que distorciam a palavra de Deus e ignoravam a mensagem do Antigo Testamento.
Ainda hoje é assim. Pessoas creem em fábulas, mitos, distorções da Palavra de Deus e ignoram o que a Bíblia anuncia de maneira clara.
Pessoas argumentam que a Bíblia é um livro criado pela igreja. Escrita por simples homens. E esses motivos já as impedem de prestar atenção.
Esses “ignorantes espirituais” vivem tão estupidamente que creem em palavras de cartomantes, pessoas que consultam os mortos, benzedeiras, feiticeiros. Preferem ouvir àqueles que Deus não quer que ouçam (Dt 18.9-13; Is 8.19; Lv 19.31; 20.6,27; 2Rs 21.6; Ez 13.18; Ml 3.5), a ouvir Deus em sua Palavra.
Querido irmão e irmã em Jesus, cuidado! Afinal, “...pois até Satanás pode se disfarçar e ficar parecendo um anjo de luz ... e seus servidores se disfarçam ...” (2Co 11.14-15). E o diabo é o inimigo que nos cerca procurando de todas as maneiras nos devorar (1Pe 5.8).
Pessoas têm destruído suas vidas buscando respostas para seus problemas, suas inquietações e angústias em lugares que Deus proíbe. Milhares de pessoas têm deixado de ouvir a voz de Deus, uma voz que merece ter toda a nossa atenção.
Vocês fazem bem em prestar atenção nessa mensagem” (2Pe 1.19).
Não é uma mensagem do impulso humano (2Pe 1.20).
Augusto Cury diz que muitas dificuldades que enfrentamos na vida se deve aqueles famosos 30 segundos de raiva. Pela raiva somos impulsionados a falar o que depois nos arrependemos de ter falado.
A Escritura não é um impulso humano. É uma mensagem do coração de Deus ao ser humano (2Pe 1.21; 2Tm 3.16). Gosto de afirmar que o ser humano, diferente um do outro, recebeu um único manual para seu bem viver: a Bíblia.
O salmista escreveu: “A tua Palavra é lâmpada para guiar meus passos, é luz que ilumina o meu caminho” (Sl 119.105). Salomão destaca em Provérbios 3 que a Sabedoria de Deus é Cristo e aconselha a não deixarmos essa sabedoria de lado para podermos caminhar seguros (Pv 3.23).
Vocês fazem bem em prestar atenção nessa mensagem” (2Pe 1.19).
Não inveje Moisés, Salomão, Josué, Samuel, Lucas, apenas ouça suas palavras que são da parte de Deus. Tenho observado que muitos pregadores têm se ocupado com a boa retórica, argumentos humanos, técnicas de oratória, para impressionar o público. No entanto, têm se esquecido do primordial: a mensagem do coração de Deus, ou seja, do evangelho a respeito de Cristo.
Deus só têm um jeito para salvar. Por meio da sua Palavra. Pelo poder da Palavra, Deus criou o mundo. Pela sua Palavra, comunicou-se com seu povo, anunciou-lhes a sua promessa de salvação. Pela sua Palavra opera e mantêm a fé que salva (Rm10.17).
E é esta palavra que precisa ser prestada atenção. Não fique perdendo tempo e até correndo o risco de perder a vida eterna em outras mensagens.
Vocês fazem bem em prestar atenção nessa mensagem” (2Pe 1.19). Afinal, (apontar para a Bíblia) esses homens falaram da parte de Deus. Foram como navios guiados pelo vento.
Os pastores atuais são homens enviados da parte de Deus para falar a respeito da luz (Jo 1.7-9). Aquele que não o faz assim, estará derramando sangue inocente sobre si e responderá a Deus por isso (Ez 33).
Pessoas aos milhares estão ignorando essa mensagem de salvação (Hb 2.3). Mas, Deus em seu amor continua proclamando a sua voz para que o mundo ouça e creia e assim seja salvo. Amém!
ERT
Edson Ronaldo TREssmann

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

Interpretação e origem das Escrituras está no Espírito Santo.

23 de fevereiro de 2020
Transfiguração de Jesus
Sl 2.6-12; Ex 24.8-18; 2Pe 1.16-21; Mt 17.1-9
Texto: 2Pedro 1.16-21
Tema: Interpretação e origem das Escrituras está no Espírito Santo.

Onde verdadeiramente Deus se revela? Em sonhos, assim como nos dias de José? Por meio de homens, adivinhos?
As pessoas são engraçadas! Acreditam nas previsões humanas, mas, afirmam não crer na Bíblia justamente porque foi escrita por homens.
Por qual motivo, eu posso crer na revelação das Escrituras?
O apostolo Pedro escreve sua segunda carta para fortalecer a fé dos cristãos que estavam sofrendo ataques de falsos mestres infiltrados nas igrejas. Muitas doutrinas errôneas e atitudes destrutivas já estavam destruindo muitos cristãos, tanto que, Judas recomenda para que se tenha compaixão dos que estão em dúvida (Jd 22).
Os falsos mestres estavam deturpando as cartas do apostolo Paulo, bem como as Escrituras (Antigo Testamento). Espalhavam a mentira de que as Escrituras não eram inspiradas.
O profeta Jeremias condenou os falsos profetas (Jr 23.16), e Ezequiel fez um alerta (Ez 13.3).
Pedro precisou combater falsos ensinamentos que haviam adentrado na igreja pelos falsos mestres que o disseminavam pelo fato de distorcerem as Escrituras. Os falsos mestres fundamentavam-se no fato de que a Bíblia é apenas palavra humana.
O que é a Bíblia? Para muitas pessoas ela é apenas uma coletânea de lendas e mitos.
2Pedro 1. 16: “Nós não estávamos contando coisas inventadas quando anunciamos a vocês a vinda poderosa do nosso Senhor Jesus Cristo, ...” (2Pe 1.16).
O termo Muthoisfábulas, pode significar também alegorias ou profecias fictícias. Os mitos ensinados pelos falsos mestres são heresias destruidoras e rejeitarão Jesus (2.1) e escarnecerão da segunda vinda de Jesus (3.3-4).
Os falsos mestres estavam questionando a esperança da volta de Jesus e anunciavam fábulas inventadas. Diante disso, Pedro nos versos 12 -15 se esforça para reavivar a memória de seus leitores e deixando essa carta escrita. Nos versos 16-18 enumera a condição de testemunha ocular, relatando a transfiguração de Jesus, na qual temos a antecipação da glória do céu. Deus abriu a cortina e mostrou a Pedro, Tiago e João a glória celestial. Nos versos 19-21 revela a certeza, a origem e a fonte das Escrituras sobre a qual está fundamentada a certeza da esperança cristã.
Os versos 17 e 18 é um breve relato do evento da transfiguração (Mt 17.1-8; Mc 9.2-8; Lc 9.28-35).
Ao relatar que “nós mesmos (Tiago, João e Pedro) ouvimos essa voz que veio do céu ...” o apostolo está ressaltando o cumprimento da promessa de Deus a respeito da ressurreição de Jesus (Sl 2.7; At 13.33) que é o seu filho (Hb 1.5; 5.5).
Por Deus cumprir suas promessas conforme já anunciadas nas Escrituras, que não são palavras meramente humanas, Pedro exalta a Bíblia escrevendo: “Assim temos mais confiança ainda na mensagem anunciada pelos profetas...” (2Pe 1.19).
O adjetivo bebaioteron indica confiança, segurança, garantia. Ou seja, as Palavras das Escrituras me fazem caminhar num lugar sólido e seguro. É um lugar firme, inabalável. Literalmente, Pedro está dizendo que na mensagem das Escrituras Sagradas se ter segurança, pois a mesma é inabalável. E nesse sentido segue: “Pois ela é como uma luz que brilha em lugar escuro, até que o dia amanheça e a luz da estrela da manhã brilhe no coração de vocês” (2Pe 1.19).
A “estrela da manhã” é Jesus (Nm 24.17; Ap 22.16). Toda Escritura conduz a Cristo (Cl 2.17). Os falsos mestres, ao contrário, negam a Escrituras, distorcendo a mesma e nos afastam de Cristo.
Querido irmão e irmã em Jesus: sendo a Palavra de Deus um caminho seguro e confiável, um farol que impede que o barco bata nas rochas, Pedro enumera que “Vocês fazem bem em prestar atenção nessa mensagem” (2Pe 1.19), ou melhor, como escreveu o autor a carta aos Hebreus: “Não abandonemos como alguns estão fazendo, o costume de assistir as nossas reuniões ...” (Hb 10.25).
A Escritura, que estava sendo considerada pelos falsos mestres como um livro cheio de lendas e profecias fictícias, é exaltada pelo apostolo Pedro como um caminho seguro e inabalável e uma luz que brilha no escuro.
Pedro combateu o falso ensino de que a Bíblia, escrita por homens não era a Palavra de Deus. 2Pe 1.20 - 21.
As palavras do verso 20 e 21 são extraordinárias, pois nos ensinam duas lições extraordinárias. Tanto a interpretação das Escrituras bem como a origem das Escrituras está no Espírito Santo.
Ao escrever: “ninguém pode explicar, por si mesmo, uma profecia das Escrituras Sagradas” (2Pe 1.20), o apostolo ataca os falsos mestres.
Afinal, se interpretar as Escrituras não é algo produzido pelo próprio ser humano (1Co 2.13-14), Pedro com essas palavras ressalta que os falsos mestres não são guiados pelo Espírito Santo, mas por suas próprias paixões (2e 3.3). Aos Romanos (Rm 8.5-8), Paulo escreveu que àqueles que tem a sua mente controlada pela natureza humana morrem espiritualmente.
Dessa maneira, entendo que Pedro está ressaltando que os falsos mestres, guiados por suas paixões e perdidos, não compreendem as Escrituras e as distorcem e enganam muitas pessoas.
Quando Jesus ensinou a orar “santificado seja o teu nome”, nos mostrou que a pregação clara e pura da Palavra de Deus é algo divino.
As palavras do verso 20 e 21 são extraordinárias, pois nos ensinam duas lições extraordinárias. Tanto a interpretação das Escrituras bem como a origem das Escrituras está no Espírito Santo.
Diferentemente das fábulas, as Escrituras não são dadas e inventadas pelo homem (1.21).
A Bíblia é a palavra de Deus. Escrita por homens, mas homens inspirados pelo Espírito Santo.
A Sagrada Escritura não demonstra apenas o fato de ser Palavra de Deus, ela também nos diz de maneira particular como Deus deu a sua palavra a nós seres humanos, “as pessoas eram guiadas pelo Espírito Santo quando anunciavam a mensagem que vinha de Deus” (2Pe 1.21b).
Homens mortais como nós, pecadores como nós, foram usados pelo Espírito Santo para escrever o livro de Deus para o ser humano. O apostolo Paulo também escreveu quem é o autor da Bíblia e para qual objetivo foi escrita 2Tm 3.16.
Observe um detalhe em 2Tm 3.16: “somente nessa palavra de Deus, um servo está completamente preparado para fazer qualquer tipo de boas ações”. Ou, como escreveu o próprio Pedro na segunda carta, o pleno conhecimento de Deus nos leva a uma vida frutífera: “... serão cada vez mais ativos e produzirão muita coisa boa como resultado do conhecimento que vocês têm do nosso Senhor Jesus Cristo (2Pe 1.8).
A Bíblia é a voz de Deus - a voz de Jesus para ser testemunhada nesse mundo. O Espírito Santo realizou a obra da escrita da Bíblia, realiza a obra da interpretação das Escrituras e também realiza a obra da vivência, da prática da Palavra de Deus. Por isso oramos: “santificado seja o teu nome”.
A Bíblia foi escrita por homens não diferentes de nós. Não houve nada de especial nesses homens que os tornou escritores da Palavra de Deus. Foram homens resgatados por Jesus que falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo. Deus lhes colocou na mente o que deviam escrever: 1Co 2.13.
Não falamos eminspiração de pensamentos” ou “inspiração de pessoas.” Ensinamos, confessamos e ensinamos a “inspiração verbal”, ou seja, a inspiração pela qual o Espírito Santo soprou as mesmas palavras que os santos escritores deviam colocar por escrito. Os escritores da Bíblia foram secretários fiéis das palavras que lhes fora inspirada. Não escreveram o que achavam melhor, escreveram o que de fato era para ser escrito.
A inspiração divina não implica uma substituição dos funcionamentos mentais normais do autor humano. Todos os livros da Bíblia foram escritos por homens que foram movidos e protegidos pela autoridade do Espírito Santo. O Senhor falou por intermédio de Jeremias, Isaías, Daniel, Ezequiel, Oseias, Joel, Habacuque, Naum, Moisés, Paulo, Pedro, Marcos, Mateus e Lucas, sem anular a humanidade de nenhum deles.
Uma breve aplicação
Vejo que na IELB ainda se discute sobre a melhor tradução. ARA, BLH, NTLH, NVI, etc?
Enquanto nós que cremos na inspiração verbal da Bíblia, ficarmos nos atendo a particularidades, perdemos tempo e espaço para falsos mestres que estão distorcendo a pregação pura e clara da Palavra de Deus.
Não estamos errados em querer ser zelosos, mas creio que esse é um zelo, no qual os tradutores das mais variadas versões também tiveram. Com amor, os tradutores se dedicaram para realizar a tradução, seja ela qual for. De nenhuma maneira tentaram enredar alguém ao engano.
A Igreja zela pelo correto ensino bíblico não pela imposição de uma tradução, mas recorrendo constantemente aos originais. Os originais da Bíblia são a bainha do Espirito Santo. São os frutos comestíveis e suculentos.
A palavra é infalível! Na Palavra estamos firmados. Qualquer que seja a tradução, a mesma é falível. Não estamos firmados na tradução, mas na Palavra de Deus.
Da Palavra, ouvimos a voz do Bom Pastor Jesus que se manifesta na Palavra, inspirada pelo Espírito Santo aos escritores humanos da Bíblia. Amém.
Edson Ronaldo Tressmann

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

viver a vida oferecida por Deus!


Texto: Dt 30.15-20
Tema: Viver a vida oferecida por Deus!

Muitas pessoas já ouviram e fazem da música cantada por Milionário e José Rico (1987) ...vou levando a vida... e a vida me levando ... sua filosofia de vida. Têm ainda o sucesso cantado por Zeca Pagodinho (2018) ...deixa a vida me levar (vida leva eu). Ou, onde a vida me levar eu vou (2018, José Alexandre da Silva Filho).
Milhares de pessoas vivem a vida como se a mesma fosse apenas uma sucessão de fatos do destino. Nada é por acaso e, todos os acontecimentos já estavam escritos e predestinados e a nós só cabe deixar que o destino nos guie. Dessa maneira, as pessoas ignoram suas escolhas erradas e equivocadas.
Moisés, na Campina de Moabe, já sabe que não entrará na terra prometida, escolheu desobedecer a Deus num momento em que era para confiar (Nm 20.6,11). Não chateou-se, pois foisua escolha bater na rocha e não falar com ela. E mesmo não podendo entrar na terra prometida, foi interlocutor de Deus ao povo.
Moisés fala ao povo, uma segunda geração. Pessoas que não viveram os grandes episódios do Êxodo. Para essa geração que nasceu no deserto, Moisés anuncia que para serem felizes na terra prometida é preciso viver orientado por Deus que os estava colocando naquela terra.
A terra a qual o povo de Deus tomaria posse, já estava ocupada. E muitos dos que a ocupavam, adoravam outros deuses e tinham práticas não cristãs, tais como oferecer crianças em sacrifício à Moloque (2Rs 23.10).
Sabemos da Palavra de Deus que Salomão ao pedir e receber sabedoria, ouviu de Deus que não houve e nem haveria outro homem mais sábio na face da terra antes e depois dele. No entanto, Salomão se perdeu e edificou santuário a Quemos e Moloque, à quem se oferecia crianças em sacrifício (1Rs 11.7).
Qual motivo dessa perdição de Salomão? Suas esposas (1Rs 11.1-3).
Moisés em seu último discurso antes da sua morte e entrada do povo na terra prometida, destaca sobre o perigo dos ídolos desse mundo nos afastarem de Deus, do caminho da vida (Dt 30.17-18).
Quais são os ídolos que estão afastando as pessoas de Deus na atualidade?
Alguns dias atrás alguém disse uma frase que me marcou. Terminado o culto em que preguei sobre 1Tm 6.10, o perigo do amor ao dinheiro, um visitante veio conversar comigo e disse: - pastor, eu agradeço essa crise econômica que estamos vivendo. Fiquei surpreso e perguntei: - por que? Ao que me respondeu: - eu estava muito afastado da igreja. E a crise financeira me trouxe de volta.
O dinheiro, o consumismo, os ídolos modernos, têm feito as pessoas perderem a vida. Muitos acham que cheios de dinheiro e podendo consumir de tudo é viver a vida. Contudo, os bens materiais, um ídolo que têm conduzidos pessoas por outros caminhos para longe de Deus.
Quais seriam os outros ídolos que nos afastam de Deus?
Quando Deus fala sobre as escolhas e que essas têm consequências, está na verdade, destacando a responsabilidade humana. E quer nos convidar ao arrependimento.
Esse sermão foi proferido para um público cristão, uma segunda geração de cristãos, que precisava ser instruída acerca da identidade de Deus.
Deuteronômio é definido por muitos como torah que significa instrução, ensino. A nova geração que tomaria posse da terra prometida, precisava ouvir e confirmar a aliança e lealdade a aliança de Deus (DOCKERY, 2001). Uma aliança de amor (Dt 4.37; 7.13; 33.3).
Com as palavras de Dt 30.15-20, Deus oferece a vida ao seu povo. E Deus oferece a vida por que ele é um Deus de vida (Mt 22.32).
Afastar-se desse Deus que oferece e dá a vida, é morrer, é caminhar no caminho do mal, é viver na maldição.
Milhares de pessoas vivem suas vidas como se a mesma fosse fruto do fatal destino. Não há nada para fazer, precisamos apenas aceitar e ...ir levando a vida... e a vida me levando ... ou apenas, ...deixando a vida me levar (vida leva eu), ou quem sabe ...onde a vida me levar eu vou.
Deus é Deus de vida e oferece essa vida pra você. Por isso, diz: “...escolhe, pois, a vida, para que vivas, ...” (Dt 30.19). O que é escolher a vida e viver?...ame o Senhor teu Deus, dê ouvidos à sua voz e apegue-se a ele” (Dt 30.20).
O Deus da vida te oferece vida. O apostolo Paulo escreveu que “Cristo é a nossa vida” (Cl 3.4). E esse Cristo convida: “Continuem unidos comigo, e eu continuarei unido com vocês. Pois, assim como o ramo só dá uvas quando está unido com a planta, assim também vocês só podem dar fruto se ficarem unidos comigo” (Jo 15.4).
Deus nos oferece vida para que possamos viver. Ele quer que você viva. “...ame o Senhor teu Deus, dê ouvidos à sua voz e apegue-se a ele” (Dt 30.20). Amém!
Edson Ronaldo Tressmann
Viver a

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Deus pode e oferece vida!

16 de fevereiro de 2020
Sexto Domingo de Epifania
Sl 119.1-8; Dt 30.15-20; 1Co 3.1-9; Mt 5.21-37
Texto: Deuteronômio 30.15-20
Tema: Deus pode e oferece vida!





Deuteronômio, da palavra hebraica Torah (Lei). Da raiz hebraica orah - instruir, ensinar. Torah não significa simplesmente lei, mas, instrução, ensino. Dessa forma, a vida, o bem e a bênção está nessa instrução, nesse ensino. Mas, o que Deuteronômio ensina e instrui? Que Deus é de vida e bênção.
Deuteronômio registra os últimos discursos de Moisés proferidos ao povo nas campinas de Moabe. Moisés, ao proferir seu sermão, está resumindo as principais leis e observações que norteariam o povo na terra de Canaã (TIDWELL, 1988). Esse sermão de Moisés visa apresentar a teologia da Torah, ou seja, a “teologia da instrução”.
A mensagem de Moisés é para um público cristão. No entanto, uma segunda geração. Não eram pessoas que haviam experimentado os grandes feitos de Deus. Essa geração precisava ser educada acerca da sua identidade, história e papel entre as nações (DOCKERY, 2001). Essa geração que iria tomar posse da terra prometida, precisava ouvir e confirmar a aliança e lealdade a aliança (DOCKERY, 2001). Uma aliança de amor, validada pelos verbos hebraicos no indicativo (Dt 4.37; 7.13; 33.3). O livro apresenta uma relação entre Deus e seu povo.
Deuteronômio não trata e aborda uma lei, como requisito a ser cumprido, mas, palavras ditas com o intuito de identificar quem é Deus. Um Deus amoroso e misericordioso que resgatou seu povo, e esse povo é luz para as nações que dará luz ao mundo que é Cristo (ROOS, 1999)
É preciso conhecer esse Deus para assim adorá-lo e confiar nele. Aos corintos, Paulo lembra que a sabedoria de Deus é Cristo. Em Cristo, o crucificado, conhecemos a Deus e o adoramos.
O povo de Deus liberto da escravidão do Egito estava terminando sua peregrinação de 40 anos pelo deserto. Esse povo foi escolhido por Deus. Essa escolha tinha como objetivo que, através deles, a luz de Deus se manifestasse a todas as nações. O profeta Isaías destaca que essa luz é a salvação preparada por Deus no filho que nasceria do povo escolhido por Deus. “O povo que andava na escuridão viu uma forte luz; a luz brilhou sobre os que viviam nas trevas” (Is 9.2). O evangelista Lucas escreveu que: “...Ele fará brilhar sobre nós a sua luz” (Lc 1.78b).
O povo de Deus, escolhido por Deus para ser luz para as nações, agora estava entrando numa nova etapa no projeto de Deus. Adentrariam a terra que havia sido prometida para Abraão, Isaque e Jacó (Dt 30.20). Como filhos de Deus, deveriam viver essa filiação, orientados pela escolha da vida, do bem, e da bênção. As decisões baseiam-se na relação de Deus conosco.
Deuteronômio 30.20 (ler).
Deus estava se comunicando com uma nova geração, no entanto, era a geração de Abraão, Isaque e Jacó. Uma geração que recebeu de Deus o oferecimento da vida. E Deus só oferece vida, por que “Cristo é a nossa vida” (Cl 3.4).
Ele continua oferecendo vida à nossa geração! E será assim até o fim dos tempos, por isso enviou sua igreja para batizar e ensinar (Mt 28.19-20). Por isso, continua enviando Paulos para plantar, Apolos para regar. Por isso continua dando crescimento à igreja (1Co 3.6). Amém.
Edson Ronaldo Tressmann

terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

Só sei que nada sei, a não ser Cristo!


09 de fevereiro de 2020
5º Epifania: Sl 112.1-9; Is 58.3-9; 1Co 2.1-12; Mt 5.13-20
Texto: 1Co 2.1-12
Tema: Só sei que nada sei, a não ser Cristo!

Enquanto que Sócrates disse: Só sei que nada sei! O apostolo Paulo escreveu: “Só sei que nada sei, a não ser Cristo”.
Ao escrever: ... quando fui anunciar a vocês a verdade secreta de Deus, não usei muitas palavras nem grande sabedoria (v.1); ... resolvi esquecer tudo, a não ser Jesus Cristo e principalmente a sua morte na cruz (v.2) ...meu ensinamento e a minha mensagem não foram dados com a linguagem da sabedoria humana, mas com provas firmes do poder do Espírito de Deus (v.4) ...a fé que vocês têm não se baseia na sabedoria humana, mas no poder de Deus (v.5). ...a sabedoria que anunciamos é a sabedoria secreta de Deus, escondida dos seres humanos, (v.7) ...foi a nós que Deus, por meio do Espírito, revelou o seu segredo... (.10) Quanto ao ser humano, somente o espírito que está nele é que conhece tudo a respeito dele (v.11) ...Não foi o espírito deste mundo que nós recebemos, mas o Espírito mandado por Deus, para que possamos entender tudo o que Deus nos tem dado (v.12) (1Co 2.1-12), Paulo nos faz refletir sobre três fatos essenciais. 1)a obra de Jesus Cristo; 2)o plano do Pai; 3)a ação do Espírito Santo;
A cruz aponta para a justiça e o amor do Pai. E essa mensagem, é algo a qual Paulo se dedica exclusivamente (v.1,2,4). O pastor não cria um fã clube. Ele não apresenta uma ideia, filosofia, tese. O pastor se ocupa com uma única e exclusiva mensagem: Jesus Cristo.
O pastor é alguém apaixonado pelo evangelho, com dedicação exclusiva e irrestrita.
Infelizmente, muitos tem feito do evangelho um produto, o púlpito um balcão, a congregação uma empresa e os crentes consumidores.
Conta-se que certa vez numa igreja havia um pregador com 1.90 metros de altura. Atrás do pastor ficava uma cruz que não podia ser vista devido a estatura do pastor. Certa vez, num culto especial de aniversário, convidaram um pastor com estatura mediana. Quando esse estava pregando, uma menininha disse para mãe. Olha mamãe, agora consigo ver a cruz.
Muitos pastores, e não por causa da altura, estão impedindo as pessoas de verem a cruz. Como muitos estão impedindo que a mensagem do Cristo seja ouvida e vista pelas pessoas? Paulo escreveu que não usou muitas palavras nem grande sabedoria; ... resolveu esquecer tudo, a não ser Jesus Cristo e principalmente a sua morte na cruz ... todo seu ensinamento e mensagem não foram dados com a linguagem da sabedoria humana, mas com provas firmes do poder do Espírito de Deus (1Co 2.1-4).
O apostolo Paulo não está ignorando o estudo e a preparação que é preciso para que se pregue. O apostolo combate o uso das mais requintadas técnicas e o desuso da verdadeira mensagem da cruz.
O importante é a cruz de Cristo, por isso, é preciso que a igreja e o pastor faça o que fez Paulo, resolva esquecer tudo, a não ser Jesus Cristo e principalmente a sua morte na cruz (1Co 2.2).
Essa mensagem do Cristo crucificado não é qualquer coisa, mas o poder de Deus. A igreja e os pregadores do nosso tempo, precisam anunciar o que a Bíblia anuncia, a mensagem do Cristo crucificado. Paulo afirma que o Espírito Santo age por meio do evangelho, por isso, homens e igrejas que pregam o evangelho, a mensagem do Cristo crucificado, são instrumentos do Espírito Santo.
Paulo escreveu que há provas firmes do poder do Espírito de Deus (1Co 2.1-4). Que prova é essa? Pessoas convertidas, igreja cristã.
Será que é de fato necessário pregar apenas a mensagem do crucificado?
Sim! Afinal, “...a fé que vocês têm não se baseia na sabedoria humana, mas no poder de Deus (v.5).
Corinto estava dividida. Uns queriam Paulo, Apolo e assim o mensageiro se tornou mais importante que a mensagem. É preciso compreender que o evangelho, a mensagem da cruz, faz parte do plano de Deus (v.6-9). E se alguém, por mais sábio e instruído que seja, pregar outro evangelho, que seja maldito (Gl 1.8).
O evangelho nasceu no coração de Deus, é a sabedoria de Deus. Não é plano de última hora. E eu só conheço a Deus no evangelho que é revelado nas páginas da Escritura que apontam para Cristo.
Quando o apostolo Paulo escreveu: ... quando fui anunciar a vocês a verdade secreta de Deus, não usei muitas palavras nem grande sabedoria ... resolvi esquecer tudo, a não ser Jesus Cristo e principalmente a sua morte na cruz (1Co 1.1-2), a única Escritura disponível para a pregação é a que chamamos hoje de antigo testamento. Como isso era possível, há quem diga que não Cristo no antigo testamento? A resposta está nas palavras do próprio apostolo Paulo: “...a sabedoria que anunciamos é a sabedoria secreta de Deus, escondida dos seres humanos, ...foi a nós que Deus, por meio do Espírito, revelou o seu segredo... Quanto ao ser humano, somente o espírito que está nele é que conhece tudo a respeito dele ...Não foi o espírito deste mundo que nós recebemos, mas o Espírito mandado por Deus, para que possamos entender tudo o que Deus nos tem dado (1Co 1.7,10,11,12). Paulo destaca que o evangelho é conhecido pelo poder do Espírito Santo. Afinal, é algo da mente de Deus.
Você que foi atingido pelo Espírito Santo pela Palavra de Deus, revela esse evangelho para outros. O Espírito Santo, torna o segredo, mistério de Deus (evangelho) o nosso conhecimento.
A igreja foi incumbida pelo Cristo ressuscitado de que pregasse o evangelho a todas as nações e que fizesse discípulos pelo batismo e ensino. Os meios pelos quais nos concede o Espírito, a fé, o perdão, a nova vida. E pelo Espírito entendemos a sabedoria de Deus: Cristo, o crucificado!
O apostolo Paulo na perícope de 1Co 2.1-12 apresenta três fatos essenciais. 1)a obra de Jesus Cristo; 2)o plano do Pai; 3)a ação do Espírito Santo. A obra de Jesus Cristo, o plano do Pai e a ação do Espírito Santo, visam a salvação do pecador. A igreja não precisa saber de nada, a não ser de Cristo, e esse, crucificado.
Enquanto que Sócrates disse: Só sei que nada sei! O apostolo Paulo escreveu: “Só sei que nada sei, a não ser Cristo”. Amém!
Edson Ronaldo Tressmann

Dormindo tranquilo enquanto tudo parece desmoronar!

  18 de abril de 2021 Salmo 4; Atos 3.11-21; 1João 3.1-7; Lucas 24.36-49 Texto: Salmo 4 Tema: Dormindo tranquilo enquanto tudo parece...